Colunista
SETOR político de Paranavaí esteve movimentado quinta-feira (12), com a presença do governador Ratinho Júnior e vários secretários de Estado. Ratinho recebeu agradecimentos da Sociedade Civil Organizada de Paranavaí pela liberação de recursos e do setor agrícola pelo lançamento do Programa de Irrigação.
NO evento realizado na Unipar, o governador fez uma deferência especial a Rogério Lorenzetti, convidando-o para subir ao palco como representante dos ex-prefeitos. Ratinho também fez referência especial à vice-prefeita Jeanne Maria Fujii Kato, que foi convidada a fazer uso da palavra. Ela enalteceu a atuação do governador em favor dos municípios.
DEFERÊNCIA de Ratinho a Lorenzetti gerou muitos comentários, inclusive entre prefeitos da região. Eles acham que foi um toque do governador a uma possível candidatura de Lorenzetti a prefeito. Em sua gestão, Lorenzetti deixou uma marca como um dos gestores de maiores realizações administrativas da história de Paranavaí, relação que inclui entre outros os mais recentes, Teruo Kato, Deusdete Ferreira de Cerqueira, Rubens Felippe, José Augusto Felippe, Maurício Yamakawa, cada um no seu tempo.
EX-PREFEITO Lorenzetti agradeceu pessoalmente ao governador, junto com um dos coordenadores da Sociedade Civil Organizada de Paranavaí, Demerval Silvestre, a liberação de recursos para o município e região. Os recursos foram resultado de uma reunião realizada pelos participantes da Sociedade Civil Organizada com o governador no Palácio Iguaçu no último dia 26 de agosto. Convidado para o Forum de Irrigação naquela oportunidade, Ratinho aceitou o convite e prometeu a liberação de recursos, como aconteceu. 
REGISTRADA no evento a presença dos deputados estaduais Alexandre Cury, Soldado Adriano José da Silva, Jonas Guimarães, Luiz Claudio Romanelli, Tião Medeiros, Paulo Rogério do Carmo, ex-deputado Luiz Accorsi, entre outros. Também marcou presença o suplente de federal, o paranavaiense Valdemar Delatorre.
QUEM acompanhou também o governador Ratinho a Paranavaí foi o ex-deputado estadual Ricardo Maia, superintendente de Apoio aos Municípios, órgão subordinado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas. Ex-vereador, Ricardo Maia é irmão do prefeito de Maringá, Ulisses Maia, e já presidiu a Claspar no governo Jaime Lerner. A Superintendência Geral de Apoio aos Municípios tem entre outras atribuições a assistência aos secretários e ao governador nos assuntos relacionados a projetos e obras que visem o desenvolvimento dos municípios; o acompanhamento, juntamente com os demais entes do Estado do Paraná, da articulação entre os poderes e esferas de governo, com objetivo da efetivação de recursos para atender demandas municipais, observando os interesses do Governo do Estado; e o estabelecimento de convênios, termos de cooperação e estabelecer parcerias com órgãos, entidades e instituições de acordo com os interesses do Estado, sempre que assim determinado pelo titular da pasta a qual a superintendência está vinculada. Além das tarefas de planejar, coordenar e executar as atividades estabelecidas no decreto que criou a SAM, cabe a Ricardo Maia a competência para a criação de grupos de trabalho ou comissões, de caráter transitório, para o desenvolvimento de estudos e levantamento de dados de relevante interesse para sua área de atuação.
VISANDO as eleições municipais de 2020 e as gerais de 2022, o partido do senador Alvaro Dias vem projetando seu crescimento. No princípio, apenas Alvaro Dias formava a “bancada” do Podemos, partido que ele mesmo criou a partir do embrião do velho PTN, sigla tradicional que estava morrendo de inanição. Sem espaço no PSDB para se lançar candidato à presidente da República, Alvaro assumiu o protagonismo da nova legenda e partiu para a disputa ao Palácio do Planalto. Fez menos de 1% dos votos e o Podemos parecia natimorto, salvo apenas por alguns sucessos isolados que lhe permitiram conquistar cadeiras no Congresso e Assembleias Legislativas.
CENÁRIO mudou para o Podemos. PT e PSL conquistaram as maiores bancadas; MDB e PSDB murcharam. Outras agremiações importantes, como PP e PSD, deixaram também de ser atrativas. Formou-se um vácuo de opções. E foi neste vácuo que o Podemos está próximo de se transformar no maior do Senado, em condições de disputar sua presidência. Após o senador Antonio Reguffe (DF), sem partido há anos, o Podemos deverá ganhar reforços como o senador Flávio Arns (PR), e na quarta (18) receberá a senadora Selma Arruda (MT). Em 2021, o partido planeja eleger Alvaro Dias presidente do Senado, muito embora ele se recuse a tratar do assunto. 
DEPUTADA federal e ex-senadora paranaense Gleisi Hoffmann deve ser reconduzida à presidência nacional do PT. A possibilidade surgiu após a corrente majoritária da sigla, Construindo um Novo Brasil, vencer as eleições internas da legenda, com um discurso em defesa de uma grande frente democrática, inclusive com setores do centro, para confrontar o governo Jair Bolsonaro. A CNB obteve 52% dos votos contra 13% da segunda colocada, a chapa composta pelas correntes Democracia Socialista e Militância Socialista.
Os principais adversários de Gleisi, por enquanto, são dois colegas de bancada na Câmara: Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (PT-SP). Os dois integram a chapa Resistência Socialista, corrente nova surgida a partir dos mandatos parlamentares e que ficou em 3º lugar, com 10% dos votos. O professor de história Valter Pomar, da Articulação de Esquerda, teve 5%, e também deve concorrer.
VICE-PRESIDENTE Hamilton Mourão teve sua permanência no exercício da Presidência prorrogado por mais quatro dias – até a próxima segunda-feira (16). A interinidade do vice se encerraria nesta quinta (12), mas foi prorrogada. De acordo com o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, a prorrogação do afastamento de Bolsonaro foi uma decisão da equipe médica que assiste o presidente no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde se encontra internado desde domingo (8).
EM ato realizado ontem (13) o governo Ratinho Júnior lançou programa de implantação de mais pedágios em rodovias paranaenses. A estatal federal Empresa de Planejamento e Logística S.A será responsável por realizar estudos de viabilidade para a concessão à iniciativa privada de mais de quatro mil quilômetros de rodovias no Paraná.
QUINZE universidades – todas elas públicas – produzem mais da metade da ciência brasileira, segundo um relatório da empresa Clarivate Analytics, divulgado nesta semana em Brasília. As três universidades estaduais paulistas (USP, Unesp e Unicamp) encabeçam a lista, com mais de 100 mil trabalhos científicos publicados no período de seis anos contemplado pelo estudo (2013-2018). A Universidade Federal do Paraná (UFPR) aparece em 8º lugar no ranking de produção científica do País, informa o Jornal da USP. As outras 12 instituições são 11 universidades federais e uma estadual, do Rio de Janeiro. Juntas, essas 15 universidades são responsáveis por mais de 60% do conhecimento científico produzido no País, segundo o relatório. 
BRASIL continua sendo o 13° produtor de ciência no mundo, em número de trabalhos publicados. Isso, apesar da crise econômica e dos cortes expressivos no orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, que teve seus recursos reduzidos quase que pela metade desde 2014.
FRASE: Mais importante que a arquitetura é estar ligado ao mundo e ter solidariedade com os mais fracos, revoltar-se contra a injustiça, indignar-se contra a miséria (Oscar Niemeyer – 1907-2012 – arquiteto carioca).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.