Colunista
CUSTO anual estimado dos acidentes ocorridos em rodovias federais no Brasil chegou a R$ 9,73 bilhões no ano passado. E o Paraná é um dos estados com maior prejuízo por conta disso. No ano passado a estimativa é que o Estado teve um custo com acidentes de R$ 1,039 bilhão, atrás apenas de Minas Gerais e Santa Catarina – R$ 1,259 bilhão e R$ 1,051 bilhão, respectivamente. Os dados são do levantamento elaborado pela Confederação Nacional do Transporte.
PARANÁ aparece como o 2º em número de mortes nos trechos federais. Foram 494 mortes em acidentes, o que coloca o Estado atrás apenas de Minas Gerais (693). O Paraná ainda ocupa a 3ª posição em acidentes que deixaram vítimas (mortas ou feridas). Foram 6.132 acidentes em 2018. Minas e Santa Catarina ocupam as primeiras posições.
SECRETÁRIO especial adjunto de Fazenda do Ministério da Economia, Esteves Colnago, esclareceu que o governo não pretende lançar nenhuma medida para congelar (desindexar da inflação) o salário mínimo e o BPC (Benefício de Prestação Continuada). Ele garantiu que tanto um como outro continuarão corrigidos anualmente pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). A proposta de Orçamento para 2020 prevê aumento dos atuais R$ 998 para R$ 1.039 a partir de janeiro do ano que vem, levando em conta a variação da inflação.
PRESIDENTE nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann, disse que os vencedores do bolão da Mega-Sena filiados ao partido não vão precisar dar o “dízimo”, como são batizadas as contribuições que parlamentares e ocupantes de cargos de confiança petistas têm que fazer ao partido. Pelo estatuto petista, quem for membro do PT tem de contribuir com um porcentual de 2% a 20% do salário para ajudar na manutenção da legenda. O prêmio total foi de R$ 120 milhões e cada um dos apostadores deve receber R$ 2,5 milhões. Segundo Gleisi “o prêmio não entra na regra. Mas quem quiser doar uma parte, será muito bem vindo”, afirmou. Dos 96 servidores nomeados no gabinete da liderança, apenas um foi deputado: Waldir Damous (PT-RJ). De acordo com dirigentes do partido, ele não participou do bolão.
TRIBUNAL Superior Eleitoral aprovou por unanimidade o pedido de incorporação do Partido Humanista da Solidariedade (PHS) ao Podemos (PODE). O TSE aprovou também a mudança do nome do Partido Popular Socialista (PPS) para Cidadania, sem sigla ou denominação abreviada.
COORDENADOR da força-tarefa em Curitiba, Deltan Dallagnol, disse nesta quinta-feira (19), que está cansado das ‘recentes dificuldades da Lava Jato‘ e que não há heróis na operação. Ele também criticou o Supremo Tribunal Federal na decisão que derrubou o caso de Alberto Bendine e, mais uma vez, se manifestou contra as mensagens publicadas pelo Intercept Brasil. Deltan deu uma palestra, com duração de uma hora, no Congresso Paranaense de Radiodifusão. Ele não atendeu aos jornalistas, mas foi aplaudido em diversas vezes durante sua fala.
CAMPINAS-SP lidera o ranking Connected Smart Cities divulgado nesta semana pela Urban Systems, seguida por São Paulo e Curitiba. Das 20 cidades mais conectadas, cinco são catarinenses: 7º Florianópolis; 9º Blumenau; 15º Joinville; 16º Itajaí e 17º Balneário Camboriú. Isso mostra que Santa Catarina é um Estado diferenciado, com maior uso de tecnologia e melhor qualidade de vida. 
OUTRAS sete cidades do Paraná aparecem entre as 100 mais inteligentes do Brasil, segundo o ranking: 26º Maringá; 33º Londrina; 37º Pato Branco; 53º Foz do Iguaçu; 63º Cascavel; 81º Toledo; 88º Umuarama. O ranking é elaborado com base em critérios como número de carros pelo total de habitantes, ciclovias, água potável, esgoto, plano diretor estratégico, internet de alta velocidade, cobertura 4,5G, registro de patentes, mortalidade infantil, homicídios, parques tecnológicos, avanço do PIB per capita e geração de empregos.
EDIÇÃO 2019 do Ranking Connected Smart Cities classificou Curitiba (PR) como a 3ª cidade mais inteligente e conectada do país, seguida por Brasília (DF) e São Caetano (SP). Na sexta colocação está Santos (SP), seguida por Florianópolis (SC), Vitória (ES), Blumenau (SC) e, na 10ª posição, Jundiaí (SP). Campinas (SP) conquistou o 1º lugar e, São Paulo (SP), a 2ª posição do Ranking Geral. A capital paranaense conquistou também o 1º lugar no Ranking Região Sul e na Categoria Urbanismo; 6º em Tecnologia e Inovação; e 7º em Empreendedorismo e em Governança.
DUAS equipes, cada uma com três analistas de controle do Tribunal de Contas do Estado do Paraná, realizaram até esta sexta-feira (20 de setembro), auditorias para avaliar que ações estão sendo tomadas por quatro municípios do Noroeste paranaense para ampliar a oferta de vagas em creches e, assim, cumprir a meta de atender pelo menos metade das crianças de até três anos de idade até o fim da vigência do Plano Nacional de Educação, em 2024. O trabalho, que integra o Plano Anual de Fiscalização de 2019 do TCE-PR, foi executado desde segunda (16) em Cidade Gaúcha, Iracaíma, Ivaté e Japurá.
“PENTE-FINO” na prestação de contas do pagamento de diárias a vereadores em todo o Paraná será realizada pelo Tribunal de Contas. O objetivo é verificar a participação de vereadores em eventos realizados não apenas no Paraná, mas também em outros estados. Além da análise das informações que são prestadas pelas próprias câmaras de vereadores, serão escolhidos municípios para a realização de fiscalizações in loco, informa o TCE.
NENHUMA capital brasileira apresenta condições adequadas para circulação de pedestres e cadeirantes nas calçadas, ruas e faixas de travessia, revela o estudo Campanha Calçadas do Brasil 2019, divulgado na quinta-feira (19) pela Mobilize Brasil, em São Paulo. O estudo avaliou a condição das calçadas, da sinalização para os pedestres, o conforto e a segurança para quem caminha nos entornos de edificações públicas. O levantamento mostra que, em maior ou menor medida, quem precisa caminhar nas capitais do país acaba encontrando calçadas estreitas, buracos, degraus, postes, faixas de travessia apagadas, semáforos ausentes ou deficientes, ambientes agressivos e poluídos e nenhum local para descanso em dias de calor ou chuva. Em outras palavras, as cidades brasileiras apresentam baixa caminhabilidade.
SEGUNDO Marcos de Sousa, um dos coordenadores da campanha, os resultados mostraram que “as escolas, hospitais e centros de saúde são os piores lugares para caminhar, justamente os lugares com maior presença de idosos e crianças e de pessoas mais humildes”. “Os hospitais, creches, escolas e centros de saúde são os locais em que encontramos as piores condições possíveis, degradantes, o que faz com que as pessoas tenham que andar na rua, às vezes arriscando a vida”. A média nacional, que ficou em 5,71, é considerada baixa, já que os critérios do estudo estabeleciam que o mínimo aceitável seria a nota 8, em uma escala de zero a 10. 
TODOS os lugares avaliados na pesquisa eram de responsabilidade direta dos governos, em seus três níveis. “Se os governantes não cumprem as leis e normas, como esperar que o morador zele por sua calçada?”, questionou Ricky Ribeiro, diretor do Mobilize Brasil. A capital brasileira mais bem analisada nesses critérios foi São Paulo, que ficou com a nota 6,93, seguida por Belo Horizonte 6,84, e Florianópolis 6,73. Belém foi a capital que teve a pior classificação, com nota 4,52, seguida por Fortaleza 4,53, e Cuiabá 4,79. Brasília ficou na 7ª posição, com nota 6,25.
FRASE: Cargo de livre nomeação foi uma forma que inventaram de impôr à Administração Pública a presença de pessoas que não tiveram capacidade para passar em concurso público, nem a competência para ganhar uma eleição (Alcione Alvez)

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.