Colunista

PALÁCIO do Planalto decidiu abandonar o discurso que pregava o fim do loteamento de cargos para obter apoio a projetos no Legislativo após derrotas no Congresso e com receio de novos reveses. O presidente Bolsonaro foi convencido por ministros da área política de que premiar partidos leais a suas propostas, como a tradicional política brasileira, seria a única forma de aprovar reformas sem ter de negociar a cada votação com os congressistas. Como Bolsonaro não abre mão de manter controle sobre o comando dos ministérios – num contraponto a seus antecessores – a negociação com o Congresso vai envolver cargos do governo federal nos Estados.

SÃO cerca de 15 mil postos comissionados de confiança. A mudança também agrada os políticos que buscam reforçar o prestígio em suas bases eleitorais. De um total de 102 nomeações para superintendências estaduais feitas entre janeiro e 15 de setembro, 50 já foram fruto de indicações políticas – envolvendo em grande parte os partidos do Centrão.

EM 2018 o Brasil registrou aumento na produção e produtividade do leite, além de expansão na produção de mel e ovos de galinha e recuperação na carcinicultura (camarão). A produção brasileira de leite atingiu 33,8 bilhões de litros, aumento de 1,6%, retomando a tendência de alta após queda de 1,1% em 2017.
 
EFETIVO de bovinos, em contrapartida, sofreu a segunda queda consecutiva, depois de atingir o recorde de 218,2 milhões de cabeças em 2016. O efetivo de bovinos foi de 213,5 milhões de cabeças em 2018, com redução de 0,7% em relação ao ano anterior. O rebanho caiu para 215 milhões em 2017. Os dados são do IBGE.

LEVANTAMENTO especial produzido pela Seguradora Líder para marcar a Semana do Trânsito mostra que, apesar da diminuição nos números de acidentes, a situação no Brasil ainda é preocupante. Em 2018 o país atingiu a quantidade de 18 indenizações pagas por morte, pelo Seguro DPVAT, a cada 100 mil habitantes. No Paraná, o dado é mais alarmante. São 24 mortes indenizações pagas a cada grupo de 100 mil habitantes. Foram 2.1712 indenizações do tipo pagas em 2018 no Estado.

ESTATÍSTICAS indicam que o trânsito ainda deixa milhares de vítimas fatais no país: nos últimos 10 anos foram pagas mais de 485 mil indenizações do seguro obrigatório por este tipo de ocorrência, sendo as motocicletas as principais responsáveis. De 2009 para 2018 o veículo foi o único a apresentar aumento de sinistros pagos por morte, saltando de 16.974 para 18.955 benefícios. Os números são do Relatório Especial – 10 anos – Taxa de Mortalidade no Trânsito, que apresenta os pagamentos do Seguro DPVAT por morte para cada 100 mil habitantes, entre 2009 e 2018. No ano passado, Tocantins (38), Piauí (34), Mato Grosso (33) e Rondônia (29) foram os estados que registraram as maiores taxas de mortalidade no trânsito. Já em 2009, as primeiras posições eram ocupadas por
Acre (279), Mato Grosso, Santa Catarina e Paraná (41).

TRIBUNAL de Contas da União torra R$ 1 milhão por mês com agentes de segurança armados para os ministros. A vigilância acontece até na casa das excelências. Um agente custa R$ 12.300 mensais. A informação é da revista VEJA.
EX-PRESIDENTE Lula terá cumprido um sexto da pena da condenação pelo caso triplex a partir da data de hoje (24). Por ter cumprido o período o petista poderá pedir a progressão para regime semiaberto, relata a revista Crusoé.

PARTIDOS aliados ao Planalto estão esvaziando o PSL, partido do presidente Bolsonaro. O cálculo de muitos é o de que pelo menos 18 deputados estão na iminência de deixar a legenda. Só não saíram ainda porque precisam dar um jeito de evitar perder o mandato por infidelidade partidária. Se os parlamentares conseguirem estender para os deputados estaduais e federais a janela para troca de partido em abril de 2020, quem terá dor de cabeça é o presidente do PSL, Luciano Bivar.

NESSE cenário o PSL encolherá de 53 para 35 deputados, menor que o PT (54), PP (38) e o PSD (36). O risco é o PSL perder ainda mais posições na Casa. O PSDB, hoje com 32 deputados, o Republicano (antigo PRB), com 31, e o DEM, com 28, não veem a hora de atrair esses 18. Se nada mudar, o partido de Bolsonaro, que já foi comparado ao antigo PRN de Fernando Collor, não durará nem um mandato como protagonista na Câmara. E pelo menos a curto prazo nada indica que o partido terá paz.

CRESCERAM 9,5% em agosto deste ano as exportações brasileiras para os Estados Unidos na comparação com o mesmo período de 2018, segundo a Agência Brasil. Já as importações de produtos daquele país aumentaram 27,9%. Ao mesmo tempo, o comércio com os outros parceiros importantes (China, Argentina e União Europeia) teve queda. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (16) no Rio de Janeiro pela Fundação Getúlio Vargas e mostram que as exportações brasileiras para a Argentina recuaram 38,9% no mês. As vendas para a China caíram 17,1%, enquanto o volume exportado para a União Europeia recuou 7%.
CONSIDERANDO-SE todos os países, a corrente de comércio do país, ou seja, a soma das exportações e importações, caiu 15% entre agosto de 2018 e agosto de 2019. Os valores exportados pelo Brasil, considerando o volume de exportação mais o preço cobrado por esses produtos e serviços, recuaram 13%. O valor dos importados caiu 17%. Em termos de volume, as exportações e importações tiveram a mesma queda (-13%), mas os preços dos bens importados recuaram mais do que os preços dos exportados. Em agosto, todos os setores tiveram queda no volume exportado, com destaque para a indústria de transformação.
PARANÁ conseguiu ser o 2º colocado em menos roubos e o 3º em furtos de veículos em um levantamento nacional com sete estados e o Distrito Federal. Os dados foram divulgados pela Polícia Militar do Paraná em seu Relatório Estatístico Criminal da semana passada. Os estados participantes do levantamento são Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. O estudo contabilizou o número de ocorrências para cada 100 mil habitantes nos primeiros seis meses deste ano.

EM roubos, o Paraná registrou 40 casos para cada 100 mil habitantes (3.061 no total), atrás apenas de Santa Catarina que registrou 10 crimes/100 mil habitantes desse tipo. Os líderes em ocorrências foram o Distrito Federal (93) e Rio de Janeiro (317). Já em furtos o Paraná registrou 102 casos para cada 100 mil habitantes (7.832 ao todo), ficando no 3º posto ao lado de Minas Gerais e Goiás. O estado ficou atrás de Santa Catarina (47) e Rio Grande do Sul (91). Os líderes nesse quesito foram São Paulo (153) e Distrito Federal (247).

EM casos totais o Paraná ocupa a 2ª posição no ranking com 142 registros por 100 mil habitantes (10.893 casos ao todo), atrás apenas de Santa Catarina (57). A liderança na lista é do Distrito Federal (340) e Rio de Janeiro (435).
Também na recuperação de veículos o Paraná conseguiu bons índices na recuperação de veículos. Ao todo 61,6% dos furtos e roubos tiveram o automóvel recuperado (6.713 ao todo). Santa Catarina e Minas não divulgaram seus números e apenas Goiás teve um índice superior aos paranaenses (65,7%).

FRASE: Quem falou de primavera sem ter visto seu sorriso, falou sem saber o que era (Cecília Meireles).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.