Colunista
PRESIDENTE da Assembleia Legislativa, Ademar Traiano, sancionou ontem os projetos aprovados pelos deputados no início de agosto, que preveem reajuste de 4,94% para os servidores públicos estaduais do Tribunal de Justiça, Ministério Público, Tribunal de Contas, Defensoria Pública e da própria Assembleia. Ao contrário dos funcionários do Executivo, que tiveram o reajuste parcelado em quatro vezes até 2022, os projetos aprovados pelos parlamentares estabelecem a reposição integral da inflação para os funcionários dos outros poderes, com pagamento retroativo a maio de 2018.
PARA os servidores do Executivo – que estão com os salários congelados desde 2016 e acumulam perdas inflacionárias de 17% – a Assembleia aprovou o projeto do governo que prevê reposição de 5,08%, com o pagamento de 2% em janeiro do ano que vem; 1,5% em janeiro de 2021 e mais 1,5% em janeiro de 2022. O pagamento dos dois últimos índices está condicionado ao aumento da arrecadação.

APÓS
a aprovação pela Assembleia, o governador tinha 15 dias para sancionar ou vetar os reajustes para os servidores desses poderes. Ratinho Jr acabou optando por não fazer nem uma coisa, nem outra, e devolveu as propostas para o Legislativo. Com isso, Traiano fez ele mesmo a promulgação dos aumentos.

FISCAIS federais recebiam pagamentos indevidos para avançar os interesses empresariais da companhia BRF, uma das maiores empresas brasileiras de alimentos, que tem diversas plantas no Paraná. De acordo com documento do MPF, as revelações da BRF resultaram na nova fase da operação Carne Fraca, deflagrada terça-feira (1º). Em despacho que deu origem à 4ª fase da Carne Fraca o juiz André Wasilewski Duszczak, da 1ª Vara Federal de Ponta Grossa, afirma que a BRF inscreveu fiscais do Ministério da Agricultura no plano de saúde da empresa como forma de pagamento de propina. Nos levantamentos preliminares foi detectada a vinculação de 51 fiscais ao plano de saúde da empresa, como se dela fossem empregados, além daqueles outros que receberam vantagens ilícitas diversas do uso de plano de saúde. O esquema criminoso pode ser bem mais amplo que isso, porque foram empregados diversos meios para ocultar as ilicitudes praticadas”, diz o despacho.
4ª FASE da Carne Fraca, denominada Operação Romanos, cumpriu todos os 68 mandados de busca autorizados pela Justiça. “Foram apreendidos diversos celulares e documentos” e “realizadas várias extrações de servidores de pessoas jurídicas”. De acordo com a PF, o nome da operação faz referência a diversas passagens bíblicas do Livro de Romanos que tratam de confissão e Justiça. A investigação apura crimes de corrupção passiva cometidos por auditores fiscais agropecuários federais que teriam recebido propinas para atuarem em benefício da BRF. Segundo a PF, há indicativos de que foram destinados R$ 19 milhões para os pagamentos indevidos.

MINISTÉRIO
Público estadual fechou novo acordo no âmbito da operação Quadro Negro – que investiga desvios de recursos de obras de construção e reforma de escolas estaduais – com a empresa Village Construções. A empreiteira se comprometeu a devolver R$ 1.807.336,04 a título de ressarcimento pelos prejuízos causados aos cofres públicos, além de multa prevista na Lei de Improbidade Administrativa e multa penal. É o quarto acordo de leniência firmado pelo MP na Quadro Negro, conduzido pelo Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria). Já assinaram acordos semelhantes a MI Construtora de Obras (R$ 90 mil), a Atro Construção Civil (R$ 391.738,69) e a TS Construção Civil (R$ 1.234.107,62).
AUMENTOU de 32% para 35,4% no 1º semestre, o nível mais alto desde o colapso da economia em 2001, a pobreza na Argentina, segundo o Instituto Nacional de Estatística e Censo (Indec). As informações são da AFP. O presidente Mauricio Macri, em campanha para seguir no cargo nas eleições de 27 de outubro, lamentou o resultado. Estão abaixo da linha da pobreza 10.015.728 pessoas, mais de um terço das pessoas que vivem nos 31 grandes centros urbanos do país analisados pelo Indec, informou o instituto. O índice de indigência, que mede aqueles em situação de pobreza que não conseguem atender às suas necessidades mínimas de qualquer tipo, aumentou de 6,7% para 7,7% no mesmo período, entre o 2º semestre de 2018 e o 1º de 2019.

PRESO em Curitiba, ex-presidente Lula deu uma de bom ao dizer que não quer deixar a cadeia usando tornozeleira. Os adeptos aplaudem. Mas, para deixar a cadeia, Lula deve recolher multa de R$ 4,9 milhões à Justiça Federal, decorrente da condenação no caso do triplex do Guarujá, para poder migrar para o regime semiaberto. O valor da multa corresponde ao crime de corrupção, ou seja, à aquisição do triplex e suas reformas, no valor de R$ 2,2 milhões, em 2009, mais 35 dias-multa no valor unitário de cinco salários mínimos. As cifras atualizadas e corrigidas com os juros chegam à soma de R$ 4,9 milhões. Na decisão que condenou Lula a 8 anos e 10 meses, o STJ considerou que a venda do triplex não repercute no cálculo da indenização a ser paga pelo petista.
INDUSTRIAL Carlos Valter Martins Pedro assumiu a presidência da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) no lugar de Edson Campagnolo, que comandou a entidade nos últimos oito anos. A posse ocorreu durante assembleia geral ordinária da Fiep, mas uma cerimônia festiva para assinalar a transmissão do cargo está marcada para o dia 28 de outubro. Segundo Carlos Valter, o foco da nova diretoria será reforçar ainda as ações que busquem a sustentabilidade do Sistema Fiep e a agregação de valor nos serviços prestados ao setor industrial, contando para isso com os colaboradores da entidade. “Temos praticamente 4 mil funcionários no Sistema Fiep. Vamos fazer juntos. Nada vai acontecer se não for pela união dos interesses da nossa diretoria com a ação direta, efetiva, motivada e atuante do corpo funcional da casa”, declarou.
ESTATUTO do Idoso completou 13 anos anteontem quando se celebrou também o Dia do Idoso em todo o território nacional. No Paraná o número de pessoas homenageadas pela data vem crescendo exponencialmente. No comparativo entre 2010 e 2019, por exemplo, a população acima de 60 anos no Estado registrou crescimento de 44,3%. Segundo as Projeções da População, divulgadas neste ano pelo IBGE, em 2010 os idosos do Paraná somavam um contingente de 1.186.747 pessoas, o equivalente a 11,14% de toda a população. Nove anos depois já são 1.712.479, ou 14,98% de toda a população paranaense.

POR outro lado a população jovem está em queda. Em 2010 eram 3.432.787 paranaenses com idade entre 0 e 19 anos, o equivalente a 32,22% do total. Hoje já são 3.138.955 ou 27,45%. A seguir nesse desempenho o IBGE projeta que em 2036, pela primeira vez na história a população idosa (com mais de 60 anos) irá superar a população jovem (com até 19 anos) no Paraná: serão 2.948.746 de idosos (23,7% do total) contra 2.947.018 de ‘piás e gurias’ (23,68%).
FRASE: Este país não pode dar certo: aqui prostituta se apaixona, cafetão tem ciúme, traficante se vicia e pobre é de direita (Tim Maia).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.