Colunista
PARA quem gosta de números: em 2005 existiam 4.767.602 servidores municipais ativos, correspondente a 2,6% da população do Brasil, que custaram R$ 51,9 bilhões (2,39% do PIB). Em 2018 eram 6.531.554, correspondente a 3,1% da população do Brasil, que custaram R$ 351 bilhões (4,59% do PIB). 
DE 2005 a 2018 cresceu no qualitativo de servidores 19,23% acima do crescimento da população brasileira; aumentaram 92,05% os gastos reais com pessoal em relação ao PIB (quase dobrou os gastos em % do PIB); aumentou a carga tributária de 1,57% do PIB em 2005 para 2,03% em PIB em 2017 (crescimento real em relação ao PIB de 29,30%).
SENADORES paranaenses Alvaro Dias e Oriovisto Guimarães, ambos do Podemos, divulgaram ontem as ações relativas à tramitação da PEC 12-2019, de autoria de Álvaro e de relatoria de Oriovisto Guimarães, que trata da redução de 1/3 do número total de congressistas. O Senado ficaria com 54 senadores (hoje são 81) e a Câmara com 342 deputados (hoje são 513). A redução trará enorme economia aos cofres públicos, dará mais agilidade ao Congresso, aumentará a transparência e reduzirá as possibilidades de corrupção e negociações espúrias. Em razão da vinculação constitucional, o número de deputados dstaduais será automaticamente reduzido em todos os estados da federação.
CRISE no PSL – partido de Jair Bolsonaro – acabou rendendo ao deputado federal paranaense Filipe Barros o posto de vice-líder da legenda na Câmara Federal e a confiança do Palácio do Planalto e da família do presidente. A indicação foi confirmada por Eduardo Bolsonaro – um dos filhos do presidente – e que após dias de disputa interna garantiu a liderança da sigla na Casa. O próprio Jair Bolsonaro também confirmou que chegou a cogitar a indicação de Barros para o posto, avaliando que a nomeação do filho poderia ter repercussão negativa.
TRIBUNAL Regional Eleitoral do Paraná encerrou o julgamento da ação de investigação judicial eleitoral proposta pela ex-governadora Cida Borghetti (PP) contra o então candidato Ratinho Júnior, além de seu pai, Carlos Massa, o Ratinho. Na ação a coligação de Cida Borghetti acusou a campanha do governador de abuso de poder econômico e realização de showmícios, ocorrido por meio da utilização das emissoras de rádio e TV da Rede Massa. Segundo a defesa do governador, o TRE entendeu que não houve abuso, afirmando, também, que não restou caracterizada a realização de showmício nas localidades, conforme voto do relator, desembargador Tito Campos de Paula. Também foi julgada a ação de impugnação de mandato eletivo proposta pelo MDB do ex-deputado e ex-candidato ao governo João Arruda, que, por conter as mesmas acusações feitas pela ex-governadora, foi julgada igualmente improcedente. Segundo os advogados de Ratinho Jr, essas eram as últimas ações propostas contra a eleição do governador ainda em trâmite na justiça eleitoral do Paraná.
ASSEMBLEIA Legislativa do Rio decidiu soltar cinco deputados que estavam presos desde novembro do ano passado no âmbito da Operação Furna da Onça. Acusados de receber “mensalinho” durante os governos de Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão, ambos do MDB, os parlamentares ainda cumprem prisão preventiva. O placar da votação foi de 39 votos a favor da soltura e 25 contrários. Seis não compareceram.
DEPUTADO federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ) anunciou na noite de terça-feira (22), em discurso no plenário da Câmara, que desistiu da indicação para ocupar o posto de embaixador do Brasil nos Estados Unidos. O parlamentar fez o anúncio durante a votação do projeto que confirma os termos do acordo entre Brasil e Estados Unidos para o uso, pelos norte-americanos, da base de lançamento de foguetes de Alcântara, no Maranhão.
NO Paraná 12,6% das rodovias são consideradas ótimas, 31,3% são boas, 33,8% regulares, 19,2% ruins e 3,2% péssimas. É o que revela um levantamento da Confederação Nacional do Transporte, divulgado nesta semana. O levantamento avaliou mais de 6,3 mil quilômetros de rodovias de todo o estado e considerou condições do pavimento, da sinalização e da geometria da via, além de apontar os pontos críticos dos trechos. Ao todo no Paraná foram avaliadas 57 rodovias, entre estaduais e federais. 
COM relação ao pavimento e sinalização da estrada, 83,9% e 85,3% dos trechos avaliados, respectivamente foram classificados como ótimo, bom ou regular. O grande problema, contudo, é a geometria da via, que avalia questões como o tipo de rodovia (pista simples ou dupla) a presença de faixa adicional de subida (terceira faixa), de pontes, de viadutos, de curvas perigosas e de acostamento. Nesse aspecto, apenas 4,6% das estradas receberam avaliação ‘ótima’, enquanto 34,2% foram classificadas como ‘péssimas’. 
POR fim a Pesquisa CNT de Rodovias 2019 também aponta ser necessário o investimento de R$ 2,65 bilhões para a recuperação do pavimento das estradas paranaenses. A maior fatia do montante (R$ 1,7 bilhão) diz respeito a ações emergenciais de recuperação em trechos que somam uma extensão total de 1.416 quilômetros e apresentam problemas como trincas, buracos, ondulações e afundamentos, enquanto outros R$ 946 milhões seriam necessários para a manutenção de 3.073 km de estrada considerados desgastados. 
NO Paraná 56,2% das estradas estão em condições regulares, ruins ou péssimas Levantamento revela ainda que seriam necessários R$ 2,6 bilhões para recuperar as estradas que cortam o estado que tem duas das melhores e duas das piores ligações rodoviárias de todo o País. Até o ano passado, a estrada que liga Campo Mourão com Guarapuava, ambos na região central do Estado e passando por rodovias diversas (BR-487, PR-460, PR-466/BR-466, PR-487/BR-487), aparecia no estudo da CNT como uma das 10 piores ligações rodoviárias do país. Neste ano, conseguiu melhorar sua colocação e subiu para o 95º lugar dentre as 109 ligações avaliadas. 
O 94º LUGAR também fica no Paraná. Trata-se da ligação entre Barracão e Cascavel, no oeste paranaense, num trecho que perpassa rodovias como a BR-163, PR-163, PR-182 e PR-582. Na outra ponta, as melhores ligações existentes no Paraná são aquelas que ligam municípios paranaenses com capitais de outros estados. A melhor colocação é para a BR-116, que liga Curitiba com São Paulo e aparece na 20ª colocação. Já a estrada que liga Curitiba com Porto Alegre aparece na 23ª colocação. Essa via inclui quatro rodovias diferentes: BR-101, BR-280, BR-290 e BR-376. 
EM 2018 o Paraná registrou 22 acidentes e uma morte por dia nas estradas federais. Ao todo foram registrados 7.934 acidentes, dos quais 6.132 foram ocorrências com vítimas. O número de mortes foi de 494 no estado. Já no Brasil inteiro foram registrados no mesmo período 69.206 acidentes, com um total de 5.296 mortes. A estimativa da CNT é que todas essas ocorrências no Paraná tenham gerado um custo total de R$ 1,04 bilhão no ano passado, com a maior parte do bolo (R$ 650 milhões) referente aos acidentes com vítimas. Outros R$ 337 milhões dizem respeito aos acidentes fatais, enquanto os acidentes sem vítimas tiveram um custo estimado de R$ 52,4 milhões.
FRASE: Precisamos de empresários de sucesso na gestão pública e não de sociólogos falidos metidos a pseudo intelectuais contadores de história…(Desconhecido)

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.