Colunista
DADOS atualizados até o mês de outubro passado pelo Detran indicam que Paranavaí aumentou neste ano a frota geral de veículos para 65.621, sendo 32.203 automóveis; 12.383 motocicletas e 6.621 motonetas. Isto significa que a frota de automóveis em relação à de veículos em geral é de 49,07 e a de motos (motocicletas e motonetas) em relação à de automóveis é de 59,01%.
QUANTO ao aumento anual de emplacamentos, a frota geral de veículos aumentou 2,34%; a de automóveis 2,15%; a de motos (motocicletas e motonetas) 1,56%. O maior aumento foi o de motonetas, de 3,58%, contra 0,51% de motocicletas.
DEPUTADO coronel Tadeu (PSL-SP) que entrou no centro do debate político desde terça-feira (19), ao arrancar um cartaz em uma exposição sobre o racismo na Câmara disse que “não há arrependimento. Quem foi atacada foi a Polícia Militar”. Na imagem um policial de arma na mão e um rapaz negro estendido no chão, com a camisa do Brasil e algemado. No cartaz, lia-se a frase: “O genocídio da população negra”. O ato do deputado provocou reação imediata de deputados que acusaram o militar de racista. Tadeu se defende elogiando a exposição e negando qualquer tipo de preconceito. “A exposição é maravilhosa, sobre racismo. Sou favorável à pauta. Mas, no meio de tanto cartaz bonito, você vê uma agressão como essa contra a Polícia Militar? Isso é inaceitável”
GRUPO de empresários do setor de energia solar fez uma manifestação simbólica durante a Conferência Smart Energy CI &Expo, que terminou nesta quarta (20) no Centro de Eventos da Fiep, em Curitiba. Trajados com camisetas amarelas com detalhes em verde e azul, escrito “Brasil, deixe a energia solar crescer. Taxar o sol, não!”, o grupo assistiu a palestra de abertura do diretor da Aneel, Sandoval Feitosa Neto, que abordou “O papel das energias renováveis e transição energética nas cidades e na melhoria da qualidade de vida das pessoas”, e questionou a medida 482, que taxa a micro e minigeração distribuída de energia.
ERA de 26% o porcentual da população ocupada do País trabalhando por conta própria no terceiro trimestre deste, segundo dados da Pnad Contínua do IBGE. Os maiores porcentuais foram registrados no Amapá (36,7%), Pará (35,7%) e Amazonas (33,3%). Já os menores foram no Distrito Federal (20,7%), Mato Grosso do Sul (21,2%) e Santa Catarina (21,7%). 
NO Paraná o índice chegou a 24,9% da população acima de 14 anos de idade ocupadas. Já a taxa composta de subutilização da força de trabalho (percentual de pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial em relação a força de trabalho ampliada) foi de 17,5% no Paraná, 6º menor índice do País e com taxa abaixo da média nacional de 24%. 
ESTUDO também mostra que o número de desalentados – aqueles que já desistiram de procurar emprego – chegou a 107 mil pessoas no Paraná no 3º trimestre, número menor que no trimestre anterior, quando eram 114 mil, mas maior que no começo do ano, que tinha 104 mil desalentados. Apesar disso o Paraná ainda aparece entre os estados com baixa taxa de desocupação. Enquanto o índice nacional caiu de 12% para 11,8% no 3º trimestre, no Paraná foi de 9% para 8,9%. 
PARANÁ está entre os estados com maior percentual de trabalhadores no setor privado com carteira de trabalho. O índice alcançou 80,8%, à frente da média nacional, que ficou em 73,6% O Paraná também manteve a quinta maior média salarial real habitual das unidades federativas com uma renda de R$ 2.525, crescimento de 4,7% em relação ao terceiro trimestre de 2018 (R$ 2.411). O rendimento médio real habitual no País (R$ 2.298) manteve-se estável em comparação com o trimestre passado (R$ 2.297) e cresceu 3,3% em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.224).
“POR enquanto o futuro presidente do “Aliança pelo Brasil” serei eu. Mas isso também pode mudar. Na política, tudo muda”, afirmou”. A afirmação foi feita pelo presidente Bolsonaro ao lançar o seu novo partido político. O novo partido teve o processo de formação iniciado numa convenção marcada para esta quinta-feira (21) em Brasília. Terça-feira (19), Bolsonaro assinou a carta de desfiliação do PSL, pondo fim à relação conturbada com o partido pelo qual se elegeu.
BOLSONARO entrou em rota de colisão com o PSL em outubro, quando, sabendo que estava sendo filmado, disse a um apoiador que Bivar estava “queimado”. A partir do episódio, a situação rapidamente se deteriorou até que, semana passada, Bolsonaro e seus aliados anunciaram a criação do novo partido. A intenção, no entanto, depende de uma série de procedimentos, incluindo a reunião de assinaturas de apoiadores, em várias partes do País.
A cisão entre bolsonaristas e o PSL é atribuída a uma disputa pelo fundo partidário. Gonzaga, no entanto, disse que a versão é incorreta. “Não estamos preocupados com o fundo partidário até porque os candidatos do partido quase ou nada se utilizaram desses recursos.”
PRODUÇÃO de chocolates no Brasil registrou aumento no 1º semestre de 2019, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas. As indústrias do setor produziram 277 mil toneladas de produtos, volume 2,5% superior ao 1º semestre do ano anterior. Lançamentos ajudaram no aumento.  
MERCADO financeiro da área de comunicação do Estado ficou agitado desde ontem com informações de que a maior rede de televisão do Estado do Paraná, a RPC, de propriedade das famílias Francisco Cunha Pereira e Edmundo Lemanski, estaria à venda pelo valor de R$ 900 milhões. Um grupo de empresários do Paraná, que atua em vários setores da economia, foi consultado sobre se havia interesse na compra e, como resposta, depois de analisar balanços e patrimônio, chegou ao valor de R$ 400 milhões, o qual não teria interessado aos proprietários. O presidente da rede, empresário Guilherme Cunha Pereira, disse que “o grupo é sempre procurado, mas a RPC não está à venda”. 
RPC tem sede em Curitiba, onde conta com 215 funcionários e mais oito emissoras afiliadas, localizadas em Maringá, Londrina, Paranavaí, Ponta Grossa, Cascavel, Foz do Iguaçu, Guarapuava e Pato Branco, foi fundada em 1960. Em 2000 houve junção das TVs Paranaense, Coroados, Cataratas, Esplanada e Cultura, todas afiliadas à Rede Globo, transformando-se em RPC. 
NEGOCIAÇÃO semelhante vem ocorrendo no Rio Grande do Sul onde a RBS foi ofertada por R$ 800 milhões. Dois grupos empresariais se juntaram e ofereceram R$ 500 milhões em função, principalmente, pelo alto valor imobiliário do grupo, ou seja, terreno onde estão as instalações técnicas (torre de transmissão). O Portal Making Of, especializado no setor de comunicações, informa que o grupo RBS – família Sirotsky – proprietário de emissoras de TV, rádios e jornais no Rio Grande do Sul, já tem sua venda praticamente definida. Valores e nomes dos compradores ainda não foram revelados. Há um ano as emissoras da RBS em Santa Catarina foram vendidas para uma parceria dos empresários gaúcho Lírio Parisotto e paulista Carlos Sanchez, dono do grupo EMS – fabricante dos medicamentos.
FRASE: O direito mais legítimo para governar os homens é o de ser mais inteligente que os governados (Marquês de Maricá).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.