Colunista
PROTESTOS pelo País preocuparam o Palácio do Planalto. A avaliação foi a de que as passeatas, em princípio convocadas contra o ministro da Educação, se transformaram em atos de peso contra o governo. Segundo o Estadão, a portas fechadas auxiliares de Bolsonaro disseram que o próprio presidente ajudou a inflamar os protestos ao atacar os manifestantes. Nos atos, diversas faixas usavam a palavra “balbúrdia” para protestar contra o governo. Os manifestantes faziam referência à entrevista dada pelo ministro ao Estadão no qual ele anunciou que universidades federais que promovessem “bagunça” ou “evento ridículo” teriam até 30% de seus recursos bloqueados.
NA tentativa de pegar carona nos atos, a CUT decretou “dia nacional de mobilização” em todos os seus sindicatos. A Força Sindical emprestou carros de som e fez pequenas paralisações em fábricas nos Estados para tratar do tema dos protestos. O presidente da República em exercício, Hamilton Mourão, avaliou que houve “exploração política” das manifestações. Na capital paulista, participantes carregavam bandeiras de movimentos estudantis, centrais sindicais e partidos de esquerda. Mas a grande maioria era formada por professores, estudantes e pais de alunos que foram à manifestação de forma espontânea.
MOVIMENTOS que atuaram de forma ativa nas manifestações pelo impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff não participaram dos protestos. Em suas redes sociais o MBL, porém, fez críticas ao Executivo: “Governo se embananou todo com a história da balbúrdia, ficou uma semana em cima de uma narrativa falsa e esquerda soube aproveitar, mesmo que com distorção, a oportunidade pra fazer uma de suas maiores mobilizações de rua desde o começo do impeachment”.
EM Dallas-EUA, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) se manifestou nesta quinta-feira (16), sobre a quebra de sigilo bancário e fiscal na investigação sobre as movimentações financeiras de seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). O presidente disse que “fizeram aquilo” (a quebra de sigilo) para “me prejudicar”. Segundo ele, “estão fazendo um esculacho em cima”. 
BOLSONARO também disse que não vai mudar seu jeito de ser. O que significa que seu governo poderá continuar enfrentando as mesmas dificuldades que encontra, por exemplo, para aprovar reformas, e a estimular reações de ruas, como mostraram as manifestações contra o bloqueio de recursos para as universidades registradas em todo o país nesta quarta-feira (15).“Se há algo de que jamais abrirei mão, são os princípios fundamentais que sempre defendi e com os quais a maioria dos brasileiros sempre se identificou. O Brasil pediu uma nova forma de se relacionar com os poderes da República, e assim seguirei, em respeito máximo à população”, disse ele..
PIORA na balança comercial com a vizinha Argentina foi o principal responsável pela queda do saldo positivo do comércio exterior brasileiro no primeiro quadrimestre deste ano. O saldo acumulado da balança brasileira com todos os países, nos primeiros quatro meses deste ano, foi de US$ 16,4 bilhões. Em 2018 foi de R$ 18,2 bi.
DO presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano: “Hoje é um dia histórico para o Paraná. A Assembleia extinguiu, aprovando um projeto de iniciativa do governo Ratinho Junior, a chamada aposentadoria dos ex-governadores”. A declaração foi feita ao comentar a aprovação, por unanimidade, da PEC que extingue a pensão vitalícia de ex-governadores.Segundo o deputado, “essa pensão é um dispositivo que a sociedade não aceita mais, em especial em um momento em que o país debate mudanças nas regras da Previdência”.A PEC volta no dia 28, para ser aprovada novamente, daí será encaminhada para a promulgação.
INADIMPLÊNCIA cresceu 2,0% em abril na comparação com o mesmo período do ano passado. Apesar do número apontar para uma desaceleração, o Brasil encerrou o mês com cerca de 62,6 milhões de pessoas negativadas. Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) representam mais de 40% da população adulta brasileira. Já os dados abertos por setor apontam que a maior parte das pendências (52%) está ligada aos bancos, que envolvem dívidas com cartão de crédito, cheque especial, financiamentos e empréstimos. Em seguida aparecem os segmentos do comércio (17%), de comunicações (12%) e de água e luz (10%).
DEPUTADO Ricardo Barros, que representa o Brasil no Parlamento do Mercosul, avalia que o mais difícil não é aprovar projetos que beneficiem o Brasil e toda a América e sim convencer que é pelo trabalho e total dedicação que alçaremos voos mais altos e conquistaremos grandes vitórias. “Acabamos de aprovar o “I Seminário Parlasul de Integração de Infraestrutura de Transporte Ferroviário na América do Sul” com o objetivo de apresentar o “estado da arte” dos projetos públicos e privados, em desenvolvimento ou planejados, de maior envergadura de integração dos transportes ferroviários na América do Sul”, comentou ele. Um plano de transporte e infraestrutura ferroviária para a América do Sul é fundamental para sua integração. Essa é a verdadeira “Política de Resultados para o Paraná, para o Brasil e para a América do Sul. O Seminário será no dia 8 de julho em Assunção, Paraguai.
DOZE aeroportos brasileiros ficaram entre os 50 melhores do mundo, de acordo com o AirHelp Score 2019, ”ranking” internacional dos melhores aeroportos e companhias aéreas do mundo, segundo a Agência Brasil. Entre os 25 melhores, o Rio de Janeiro pontuou dois aeroportos: Santos Dumont, que ficou na 17ª colocação e o Internacional do Rio de Janeiro, Galeão (25º classificado). De acordo com a pesquisa o Aeroporto Internacional Afonso Pena, em Curitiba (PR), obteve a 4ª melhor colocação, com 8,37 pontos. Os três melhores aeroportos do mundo são o Aeroporto Internacional Hamad, do Catar, com 8,39 pontos, mesma pontuação do Aeroporto Internacional Tóquio Haneda, seguido pelo Aeroporto Internacional de Atenas, com 8,38 pontos. 
AEROPORTO Internacional de Viracopos, em Campinas-SP, ocupa a 10ª posição, com 8,25 pontos. O último aeroporto brasileiro listado foi o de Guarulhos, que ocupa a 45ª posição, com um total de 7,76 pontos. Também foram avaliadas pela AirHelp as 72 melhores companhias aéreas do mundo. A mais cotada foi a Qatar Airways, com pontuação 8,23, repetindo a posição do “ranking” de 2018 devido à presteza no processamento de reclamações e à elevada pontualidade. American Airlines ficou na 2ª posição, com 8,07 pontos, seguida pela Aeroméxico, com igual pontuação. Para esse “ranking” de empresas foram considerados três fatores: pontualidade dos voos segundo a base de dados da AirHelp, que avalia o horário de partida e chegada dos voos de todas as companhias aéreas; qualidade do serviço das companhias aéreas segundo avaliação de passageiros; e processamento de reclamações com base na eficiência para o atendimento a pedidos de indenização de clientes.
EMPRESAS brasileiras Azul Airlines e Gol Intelligent Airlines ficaram no 29º e no 58º lugares, respectivamente. Apesar da boa pontuação em termos de serviço e “performance” de partida e chegada no horário, as duas companhias não receberam pontos positivos no atendimento a queixas de passageiros. Entre as piores companhias estão Ryanair, Korean Air, EasyJet e Thomas Cook Airlines, consideradas não amigáveis em relação aos passageiros.
FRASE: Se você quer entender uma pessoa não escute suas palavras, observe seu comportamento (Popular).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.