Colunista
PESQUISA sobre a expectativa de compra e venda para a Páscoa 2019, em relação a 2018, encomendada pela Associação Comercial do Paraná e produzida pela Datacenso Pesquisa, Inteligência e Mercado, assinala que o consumidor terá um gasto médio de R$ 123,00. Os comerciantes estão otimistas com aumento nas vendas para a Páscoa. 40% acham que vão vender mais em 2019; 37% acham que vão vender o mesmo; 19% acham que vão vender menos e 4% não souberam opinar. Diante do otimismo dos comerciantes, a estimativa é de que haja um crescimento real de vendas em relação a 2018 de 2%. O cartão de crédito será a forma mais utilizada para pagamento das compras na Páscoa para um total de 79% dos consumidores, sendo que o cartão de débito aparece em 2º lugar com 38% e pagamento em dinheiro será feito por 8% dos consumidores.
SEGUNDO a pesquisa, os ovos de chocolate são os produtos mais visados para a Páscoa, sendo o interesse de 54% dos consumidores; os bombons e as caixas de bombons vêm junto com 54% da preferência dos consumidores e as barras de chocolate interessam a 31% dos consumidores. Novamente por ser resposta estimulada e de múltipla escolha, o total dá mais de 100%.
Diante do otimismo dos comerciantes, 78% declararam que vão fazer algum tipo de promoção para a Páscoa, enquanto 22% optaram por não fazer nenhuma promoção especial para a data.
MÉDIA do salário pago no Paraná começou 2019 maior do que terminou no ano passado. Porém, a diferença é quase insignificante – R$ 4,07. Segundo dados da 58ª Pesquisa Salarial realizada pela Catho a média no Estado é de R$ 2.293,35, contra os R$ 2.289,28 verificados na pesquisa anterior divulgada em novembro de 2018. A média paranaense fica abaixo da média nacional, que na nova pesquisa é de R$ 2.340. No último semestre a remuneração era de R$ 2.330, representando uma variação de apenas 0,4%. Dentre os estados que possuem maior destaque em salários estão São Paulo (R$ 2.760,94), Distrito Federal (R$ 2.529,17) e Rio de Janeiro (R$ 2.487,28).
PSL lidera pela primeira vez o ranking do Fundo Partidário, levando, este mês, a maior fatia de um bolo de R$ 76.875.422,50. O partido do presidente Jair Bolsonaro receberá R$ 9.143.943,58. O PT é o 2º e receberá R$ 7.743.648,66, seguido pelo PSDB, que terá direito a R$ 4.786.822,11. Por não alcançaram a cláusula de barreira estabelecida para as eleições de 2018, estão impossibilitadas de receber recursos do Fundo Partidário 14 siglas desde o dia 1° de fevereiro deste ano. São elas: Rede, Patriota, PHS, DC, PCdoB, PCB, PCO, PMB, PMN, PPL, PRP, PRTB, PSTU e PTC.
PROPOSTA de Emenda Constitucional que pretende proibir a representação parlamentar a todos os partidos que não obtenham o mínimo de 5% dos votos nacionais para deputado federal foi apresentada pelo senador paranaense Oriovisto Guimarães (Pode). Pelo texto somente terão direito a assumir vaga na Câmara os partidos que obtiverem pelo menos 5% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da federação, com um mínimo de 2% dos votos válidos em cada um deles. Ou os partidos que tiverem eleito no mínimo 20 deputados em pelo menos um terço dos estados. Caso aprovadas, as regras valeriam para as eleições a partir de 2030.
PARA Oriovisto a legislação atual incentiva uma espécie de “empreendedorismo partidário”, com objetivos fins de acesso aos fundos partidário e eleitoral, onde os homens são movidos não por ideais que nos levem a um país melhor, mas sim por vis interesses pecuniários”, justificou ele.  Oriovisto destaca que o Brasil tem uma situação singular, com 35 partidos registrados no TSE e outros 73 em processo de formação, algo que não se repete em qualquer outro país do mundo. Na Câmara, são 30 partidos representados. 
STF, através da 1ª Turma, confirmou o bloqueio de bens do deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) e também da irmã dele, a jornalista Andrea Neves, no valor de R$ 1.686.600,00 para cada. A medida está relacionada ao processo em que os irmãos foram denunciados e tornados réus por supostamente terem solicitado e recebido R$ 2 milhões em propina pagos por Joesley Batista, do grupo J&F, que controla a empresa JBS. A maioria da turma, com votos dos ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux, atendeu em parte ao pedido da Procuradoria-Geral da República, que propôs originalmente o bloqueio de R$ 7,4 milhões ao todo – entre bens e multa. Eles divergiram do relator, Marco Aurélio Mello, que havia rejeitado o pedido liminarmente. O julgamento de terça foi do recurso da PGR. Também ficou vencido no julgamento o ministro Alexandre de Moraes.
REVISTA Forbes, mais conceituada de negócios do mundo, divulgou a lista das 20 mulheres mais poderosas do Brasil. Elas fazem parte da reportagem de capa da última edição da publicação. Segundo a revista, são mulheres inspiradoras, que têm se destacado no ramo dos negócios, na moda, nos esportes, nas redes sociais e no terceiro setor. 
LISTA por ordem alfabética inclui: Alice Ferraz – CEO e fundadora do FHits; Ana Fontes – CEO da Rede Mulher Empreendedora (RME) e presidente do Instituto RME; Ana Paula Assis – Presidente da IBM para a América Latina; Ana Paula Bógus – General Manager da Kimberly-Clarck Professional Brasil; Camila Coelho – Influenciadora digital; Camila Junqueira – CEO da Endeavor; Gabriela Manssur – promotora de Justiça do MP do Estado de SP; Ivete Sangalo – Cantora; Juliana Azevedo – Presidente da Procter & Gamble Brasil; Luciana Marsicano – Diretora-geral da Tiffany & Co no Brasil; Maria Silvia Bastos Marques – Presidente e CEO da Goldman Sachs Brasil; Marta – jogadora de futebol; Maya Gabeira – surfista; Nina Silva – CEO do Movimento Black Money; Patricia Villela Marino – Presidente do Humanitas360 e co-fundadora do Civico; Renata Campos – head da Takeda Brasil; Rosa Weber – Ministra do STF e do TSE; Sandrine Ferdane – CEO do BNP Paribas Brasil; Viveka Kaitila – Presidente e CEO da General Eletric Brasil; Vivien Rosso – CEO do A.C.Camargo.
TAMBÉM foi divulgada pela Forbes a lista das 100 mulheres mais poderosas do mundo em 2018. A chanceler alemã Angela Merkel, 64 anos, lidera o ranking. Esta é a 8ª vez consecutiva que a líder está no topo do levantamento. A lista das “10 mais” inclui: 1. Angela Merkel, Chanceler da Alemanha; 2. Theresa May, primeira-ministra do Reino Unido; 3. Christine Lagarde, diretora do FMI; 4. Mary Barra, presidente e CEO da General Motors; 5. Abigail Johnson, presidente e CEO da Fidelity Investments; 6. Melinda Gates, copresidente da Fundação Bill & Melinda Gates; 7. Susan Wojcicki, CEO do YouTube; 8. Ana Botin, presidente do Banco Santander AS; 9. Marillyn Hewson, CEO da Lockheed Martin; 10. Ginni Rometty, CEO da IBM. Nomes pops que aparecem na lista são Oprah Winfrey (20°), a Rainha Elizabeth II (23°), Anna Wintour (48°), Beyoncé Knowles (50°), Taylor Swift (68°), Shonda Rhimes (74°), Serena Williams (79°) e Priyanka Chopra (94°). Para determinar a classificação, a publicação aplica quatro conceitos: dinheiro, mídia, impacto e esferas de influência.
FRASE: Falta de dinheiro não é sinônimo de falta de qualidade. Falta de vergonha, sim. Isto leva à uma educação péssima que vai refletir no futuro do estudante e de toda a sociedade.(Prof. Nilo Jeronimo Vieira)

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.