Colunista
DECISÃO do Governo do Estado de não conceder reposição salarial aos servidores é a principal pauta das últimas semanas. Certamente o período mais espinhoso enfrentado pelo comando do Palácio Iguaçu desde o início da gestão. A oposição, os sindicatos e a mídia têm dedicado enorme esforço na missão de reverter a medida. 
ANÁLISE da situação: 1) A arrecadação, segundo o governo, caiu. E deve cair ainda mais no segundo semestre por conta da crise nacional. 2) O caixa de R$ 5 bilhões, com R$ 600 milhões disponíveis imediatamente, que o governo anterior diz ter deixado, não é confirmado pelo atual governo. Sem recursos, não há como pagar despesa. 3) A defasagem no salário do funcionalismo é causada pelo congelamento desde 2016. São 17% a serem repostos, sendo 4,9% referentes a 2018. Um longo período sem reajuste que o funcionalismo pressiona para resolver agora. 4) O aumento pedido pelo funcionalismo, de no mínimo 4,9%, pode aumentar em mais de R$ 1 bi o orçamento previsto para despesas com pessoal. 5) Há um limite prudencial na despesa com a folha de pagamento que, se ultrapassado, pode ferir a lei e caracterizar irresponsabilidade fiscal, o que transformaria o governo em réu de um processo que pode até exigir perda do mandato.
MINISTRO Alexandre de Morais, do STF, decidiu, de ofício, revogar a autorização para o senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que está em prisão domiciliar, viajar ao Caribe. Moraes ainda determinou que o senador entregue o passaporte à Polícia Federal em até 24 horas. Quarta-feira (26/6) a Justiça do Distrito Federal autorizou Gurgacz a viajar com a família para Aruba, onde ficaria hospedado em um hotel de luxo (diárias de até R$ 4 mil), entre os dias 17 de julho e 03 de agosto. Durante esse período, a execução da pena ficaria suspensa. O Ministério Público do DF também deu parecer favorável à viagem do parlamentar. As informações são do Conjur.
JUIZ federal Luiz Antônio Bonat, da Lava Jato em Curitiba, determinou o sequestro e arresto de até R$ 77,9 milhões do ex-presidente Lula (PT). A decisão foi tomada no dia 18 de junho após pedido do Ministério Público Federal, no processo que envolve a compra de um terreno onde seria construída nova sede do Instituto Lula e um imóvel vizinho ao apartamento do ex-presidente, em São Bernardo do Campo. Na denúncia apresentada em dezembro de 2016 os procuradores sustentam que a Construtora Odebrecht teria pago R$ 12,4 milhões pelo terreno onde seria construída a nova sede, mas a obra não foi feita. Na ação, Lula responde pelos crimes de corrupção passiva qualificada e lavagem de dinheiro. Outras sete pessoas também são partes do processo.
MINISTRO da Educação, Abraham Weintraub, causou polêmica na manhã desta quinta-feira (27) ao comparar os ex-presidentes petistas Lula e Dilma Rousseff a drogas. Ele fazia referência à prisão do 2º sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, flagrado com 39 quilos de cocaína no aeroporto de Sevilha, na Espanha, e que já prestara o mesmo serviço aos ex-presidentes Dilma e Michel Temer. O militar integrava a equipe de apoio à viagem oficial do presidente Jair Bolsonaro ao Japão e chegara ao terminal europeu em um avião da Força Aérea Brasileira. “No passado o avião presidencial já transportou drogas em maior quantidade. Alguém sabe o peso do Lula ou da Dilma?”, escreveu Weintraub no Twitter.
MANIFESTAÇÃO foi realizada ontem pela manhã por policiais federais paranaenses em frente à Superintendência Regional da Polícia Federal em Curitiba, sede dos trabalhos da operação Lava Jato. Eles criticam o texto da reforma da Previdência e reivindicam mudanças que contemplem uma regra de transição justa, integralidade e paridade, idade diferenciada para homens e mulheres, diminuição da alíquota previdenciária e melhoria no regime de pensões.
CANDIDATO derrotado à Presidência da República, o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, confessou estar insatisfeito com seu partido (PSDB) em palestra num curso promovido pelo Instituto SEB, em Ribeirão Preto-SP. “Me perguntam se eu estou feliz no partido. Não estou, e quem disser que está,  está mentindo. Não estou satisfeito no PSDB, já que o sistema brasileiro não permite que qualquer pessoa esteja feliz com qualquer partido, reportou o jornalista Eduardo Schiavoni, em reportagem publicada no UOL. Para Alckmin, “o ideal é que os partidos tenham democracia interna”. Questionado sobre o governo de Jair Bolsonaro, o ex-presidenciável tucano disse que até tem “simpatia” por ele, por sua “postura simples”. No entanto, avaliou que o governo “bate cabeça”.
POLÍCIA Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (27) em Brasília e em Minas Gerais operação contra um assessor especial e dois ex-assessores do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, em razão de investigação sobre candidaturas de laranjas do PSL na eleição de 2018. As informações são da Folha de S.Paulo. A ação da PF é decorrência da apuração sobre caso revelado pela Folha em fevereiro. Em Brasília policiais prenderam Mateus Von Rondon Martins, assessor especial no Ministério do Turismo e um dos mais próximos aliados de Álvaro Antonio. É seu braço-direito na pasta do governo. O caso das laranjas do PSL é alvo de investigações da Polícia Federal e do Ministério Público em Minas e em Pernambuco e levou à queda do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que comandou o partido nacionalmente em 2018.
ÍNDICE Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, registrou inflação de 0,80% em junho deste ano, percentual superior ao apurado em maio (0,45%). De acordo com a Fundação Getulio Vargas, com o resultado o IGP-M acumula taxas de 4,38% no ano e de 6,51% em 12 meses. A inflação do Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, passou de 0,54% em maio para 1,16% em junho. O Índice Nacional de Custo da Construção subiu de 0,09% em maio para 0,44% em junho. O Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, registrou deflação (queda de preços) de 0,07% em junho. Em maio, o subíndice havia registrado inflação de 0,35%.
SENADORES Alvaro Dias e Oriovisto Guimarães (ambos do Podemos), votaram contra o projeto que pune o abuso de autoridade, na reunião de quarta (26) da Comissão de Constituição e Justiça. Alvaro afirmou que votou contra a proposta porque ela foi incluída pela Câmara Federal no projeto original que tratava das 10 medidas de combate à corrupção defendidas pela operação Lava Jato do Ministério Público Federal. 
SEGUNDO Alvaro Dias, “não há prioridade nesta hora para a discussão do projeto de abuso de autoridade. A prioridade para o povo brasileiro é a Operação Lava Jato. Portanto, trata-se de uma trombada na aspiração popular de ver o Brasil combatendo para valer a corrupção, porque apenas investigadores e julgadores são alcançados por essa proposta de legislação de abuso de autoridade; nós não somos alcançados”, disse.
FRASE: A cada minuto que passamos com raiva perdemos sessenta felizes segundos (William Somerset Maugham – 1874-1965 – escritor inglês, autor de “O Fio da Navalha”).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.