Colunista
SERVIDORES estaduais em greve desde a última quarta-feira (26) voltaram a se reunir para protesto pelo pagamento da reposição de 4,94% referente à inflação dos últimos 12 meses na manhã desta segunda-feira (1º). Cerca de 10 mil servidores se concentraram na Praça Santos Andrade, em frente ao prédio histórico da Universidade Federal do Paraná, e seguiram em caminhada no final da manhã até o Palácio Iguaçu, em Curitiba, segundo informações circulantes.
PRESIDENTE da APP-Sindicato, prof. Hermes Leão, declarou à Rádio Banda B que a greve irá continuar se o governador Ratinho Junior não apresentar uma proposta. Ainda de acordo com Leão a greve é legitima e agora é o momento de Ratinho Junior ter iniciativa para debater os pontos. Na semana passada Ratinho disse que a greve é pequena e que a minoria aderiu. O Governo já informou que não negocia enquanto os servidores estiverem em greve.
DEPUTADO Lemos explicou que os servidores estão buscando a mediação com o Ministério Público, além dos deputados que já apoiam a greve. “O governador não precisa se reunir com nenhum servidor. É só mandar a proposta por algum mediador que nós temos toda a disposição de avaliar elas” concluiu. 
PELA segunda vez em pouco menos de um mês o secretário da Educação, Renato Feder, se licencia desde que assumiu o cargo há seis meses. É o que consta de ato publicado no Diário Oficial da última quinta-feira (27). Da primeira vez (entre 7 e 14 de junho) ele ficou uma semana fora; agora serão 10 dias e também por “motivos particulares”. 
DA revista Crusoé, editada pelo site O Antagonista: “O apresentador Carlos Massa, o Ratinho, incentiva o filho a trabalhar para ser candidato à Presidência da República. A candidatura, porém, não seria para a próxima disputa pelo Planalto, em 2022. Aos 38 anos de idade, Ratinho Júnior foi eleito em 2018 para o primeiro mandato como governador do Paraná. Em 2022, a ideia é tentar a reeleição e, a partir daí, tentar se cacifar para o Planalto.”
CURITIBA foi palco de duas manifestações domingo (30). Por um instante as duas manifestações se encontraram no Centro da Capital. Enquanto a Marcha para a Diversidade percorria a avenida Marechal Deodoro, o ato pró-Moro ocupava a Rua XV, a uma quadra de distância. Contudo, na praça Zacarias uma manifestação deu de cara com a outra, apenas com alguns poucos policiais separando os espaços.
ATOS em defesa da Operação Lava Jato e do ministro da Justiça, Sergio Moro, ocorreram em quase 200 cidades brasileiras, com críticas ao STF e ao Congresso. Os manifestantes também criticaram a divulgação de mensagens trocadas entre Moro e procuradores da Lava Jato pelo site ‘The Intercept Brasil’.
EM Curitiba o ato começou por volta das 15 horas, na Boca Maldita, região central da Capital e tradicional palco de manifestações políticas. Um carro de som e um boneco inflável do ex-presidente Lula também “animaram” o protesto. A Polícia Militar não divulgou uma estimativa do número de participantes. Pela manhã, outro grupo de apoiadores do governo do presidente Bolsonaro (PSL) promoveu uma carreata, partindo do parque Barigui, percorrendo as ruas da cidade. Os participantes também levantaram a bandeira da candidatura à reeleição de Bolsonaro para as eleições de 2022. 
NO interior do Estado foram registradas manifestações em Londrina, Maringá, Cascavel, Ponta Grossa e Foz do Iguaçu. Bolsonaro se pronunciou pessoalmente sobre os atos nas redes sociais. “Aos que foram às ruas manifestar seus anseios, parabéns mais uma vez pela civilidade. A população brasileira mostrou novamente que tem legitimidade, consciência e responsabilidade para estar incluída cada vez mais nas decisões políticas do nosso Brasil”, disse o presidente. 
EM Brasília o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, e o deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL-SP), participaram dos atos. O ministro afirmou que os “esquerdopatas e derrotistas” erraram sobre a provisão do encontro do G-20 e que o presidente Jair Bolsonaro saiu “homenageado” do Japão, onde ocorreu o encontro da cúpula. 
NO Rio de Janeiro um público estimado pela Polícia Militar em cerca de 10 mil pessoas ocupou durante toda a manhã e começo da tarde pelo menos seis quadras da orla do bairro carioca, ancorada por oito carros de som e patrocinados por grupos que apoiam Bolsonaro, como Movimento Brasil Livre (MBL), Endireita Brasil, Vem pra Rua, Brasil Conservador, entre outros. 
MBL, que não participou do último evento a favor do governo Bolsonaro, também chegou a ser hostilizado aos gritos de “traidor do País”, devido a supostas críticas feitas ao governo, mas não se deixou intimidar. Do alto de um dos carros de som, representantes do grupo acusavam a esquerda de tentar dividir a direita, pedindo união e prometendo amor eterno ao ex-capitão. A polícia chegou a ser acionada após um breve tumulto entre manifestantes pró e contra o MBL, mas nenhuma ocorrência foi registrada.
EX-GOVERNADORA Cida Borghetti assumiu na noite desta segunda-feira a presidência da Sociedade Giuseppe Garibaldi de Curitiba. Cida comandará a entidade que reúne italianos e descendentes até 2022. Cida, que faz parte do Conselho Deliberativo da Sociedade, será a primeira mulher a comandar a entidade em 136 anos de história. Ela assume no lugar de Benoni Manfrin. “Meu propósito é cuidar deste extraordinário patrimônio no centro histórico de Curitiba. Imigrantes se reuniram para continuar a tradição italiana no nosso Estado. Aqui está a história das nossas famílias”, disse a ex-governadora.
FRIO deve chegar com força à região a partir desta terça-feira. Nesta semana as quedas devem ser bruscas em todo o Estado, de acordo com o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar). Em algumas regiões, os termômetros devem chegar a -3ºC. Antes do frio deve chover em diversas regiões do Paraná. Já mais para o fim do dia uma frente fria, que avança pela Região Sul, se aproxima do Oeste e Sudoeste paranaense aumentando as chances de chuva, aponta o Simepar. De terça-feira para quarta a instabilidade aumenta em parte do Paraná. O sistema frontal avança lentamente, mas já induz a formação de nuvens de chuva sobre a “metade sul’ do Estado. 
EM contrapartida na faixa norte paranaense o tempo ainda permanece mais seco e se mantém mais quente. Este é só o início de um período de várias mudanças de tempo nas regiões paranaenses, pois a semana será marcada por bastante variação de temperatura. Os termômetros começam a semana com máxima de 26ºC em Curitiba e devem chegar a -1ºC no sábado. O frio mais intenso começa na quinta-feira (4) com mínima de 6ºC. Na sexta-feira (5), a mínima deve ser de 3ºC e a máxima não passa dos 13ºC. No Norte do Estado, em Londrina, o sábado (6) deve ser de mínima de 0ºC. Mesma previsão para Maringá e Foz do Iguaçu, no Oeste. Em Paranavaí pode chegar no fim de semana a 2ºC.
FRASE: Ontem foi ontem; vamos tentar de novo hoje (Popular)

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.