Colunista
SESSÃO de terça-feira (02) da Assembleia Legislativa teve momentos tensos  quando servidores públicos estaduais se manifestavam em defesa da reposição salarial da categoria, vaiando deputados da base do governo na Casa. O confronto acabou se intensificando depois que o presidente do Legislativo, deputado Ademar Traiano (PSDB) ameaçou mandar retirar um manifestante que estaria xingando o líder governista, deputado Hussein Bakri (PSD), que tentava explicar mais um adiamento da apresentação da proposta do Executivo sobre a data-base do funcionalismo. 
LIDERANÇA tentava argumentar que apesar do impasse nas negociações, o governo estaria mantendo um diálogo respeitoso com os servidores e deputados que representam a categoria e defendem o reajuste. Nesse momento, um dos manifestantes nas galerias do plenário teria xingado o líder do governo, que reagiu com visível irritação. Após o fim do bate-boca e os ânimos se acalmarem, o presidente da Assembleia se desculpou, e pediu que fosse retirada a frase das notas taquigráficas da sessão. “Com muita humildade eu retiro a expressão que usei: ‘cala a boca’. Mas eu não posso permitir jamais que venham às galerias para afrontar os parlamentares”, alegou. 
FOI arquivada pelo corregedor nacional de Justiça, Humberto Martins, a reclamação disciplinar formulada pela deputada federal Gleisi Hoffman (PT-PR) e outros contra a juíza federal Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba. A reclamação alegava que a magistrada atuou fora de sua competência ao homologar acordo firmado entre o Ministério Público Federal e a Petrobras, em processo decorrente da Operação Lava Jato. As informações foram divulgadas pelo Conselho Nacional de Justiça.
VENDA de veículos automotores registrou alta de 13,45% no 1º semestre de 2019 em comparação a igual período do ano anterior. Segundo a Fenabrave, 1.919.047 unidades foram licenciadas de janeiro a junho de 2019, ante 1.691.532 unidades comercializadas no mesmo período do ano passado.  
CAIU em maio frente a abril o faturamento das horas trabalhadas na produção e emprego na indústria. Depois da alta de 3,1% em abril o faturamento real recuou 2,2% em maio frente ao mês anterior, na série mensal com ajuste sazonal. As horas trabalhadas na produção caíram 0,2% em maio frente a abril.
CASO dos pedágios no Paraná está virando piada. A 1ª Vara Federal de Jacarezinho acatou uma ação de improbidade administrativa ajuizada pelo governo do Estado e determinou a redução imediata de 25,77% nas tarifas cobradas nas praças de pedágio administradas pela concessionária Econorte, responsável pelo Lote 1 do Anel de Integração. A ação pede a restituição R$ 4 bilhões aos usuários, referentes ao que foi arrecadado na praça de pedágio em Jacarezinho. Uma outra decisão havia determinado o aumento das tarifas na segunda-feira. A demanda judicial também busca apurar a prática de atos de improbidade administrativa decorrentes do Termo Aditivo 272/14. O juiz federal da 1ª Vara de Jacarezinho, Rogério Cangussu Dantas Cachichi, também concedeu liminar para a manutenção dos serviços e de investimentos da Econorte, a continuidade das obras em Santo Antônio da Platina; e o bloqueio de bens das empresas no valor de R$ 300 milhões. 
COMISSÃO de Defesa dos Direitos do Consumidor da Assembleia aprovou parecer favorável a projeto que proíbe as chamadas telefônicas sem identificação. Proposta pelo deputado Subtenente Everton (PSL), a iniciativa cobra das operadoras de telefonia fixa e móvel “o código telefônico que permita o imediato retorno da chamada, vedado o uso de numerações aleatórias, que dificultem a identificação”. A medida vale tanto para chamadas entre consumidores quanto as feitas por empresas, em especial, as de telemarketing.
DEPUTADO Hélio Lopes (PSL-RJ) aproveitou sua vez de falar durante a sessão da CCJ, que interrogava o ministro Sérgio Moro terça (02) para fazer um esclarecimento importante: ele negou que seja proctologista do presidente Jair Bolsonaro, ao contrário do que muitos dizem. Ele informou que não é médico, é subtenente do Exército. O negro Hélio Lopes concorreu às eleições de 2018 com o nome político registrado como Hélio Bolsonaro, o que o levou a ser o candidato mais votado do Rio. Amigo pessoal da família do presidente, é o mais prestigiado dos deputados da atual Legislatura. Atua como uma espécie de “sombra” de Bolsonaro, acompanhando-o em todos os eventos, nacionais e internacionais.
CRESCEU 11,2% no 1º semestre deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado o mercado de automóveis. Foram emplacadas 1,065 milhão de unidades em todo o País.  Já no Paraná, que emplacou 60.241 automóveis de janeiro a junho, o mercado encolheu 1,79%. Os números são da Fenabrave foram divulgados nesta terça-feira (2). O segmento de caminhões é o que mais cresceu. Com 46.867 emplacamentos, aumentou 45%. O de motocicletas também se recuperou nos primeiros seis meses do ano, tendo crescido 16% no País e 17% no Paraná. 
ESTADOS e municípios vão perder R$ 350,7 bilhões em 10 anos se de fato não forem incluídos no texto da reforma da Previdência que está na Câmara Federal. É o que aponta a nota técnica nº 34 da Instituição Fiscal Independente do Senado, que fez uma análise completa do relatório de Samuel Moreira (PSDB-SP), encarregado da emenda constitucional na comissão especial. O IFI estima em R$ 299 bilhões a economia relativa a servidores civis e R$ 51,6 bilhões devidos aos militares, só para estados e municípios.
TV Câmara 2 mostrou a queixa patética da oposição sobre o fato de ter sido interrompida a transmissão do depoimento de Sérgio Moro (Justiça) para mostrar a leitura do relatório da reforma da Previdência. Para analistas eles não queriam esclarecer coisa alguma, queriam apenas aparecer.
FOI rejeitada pela 5.ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná a apelação do Ministério Público que pedia Ação Civil Pública sobre a suposta prática de atos de improbidade administrativa pelo Estado do Paraná e pelo comando da Polícia Militar na condução da “Operação Centro Cívico”.
Naquele episódio, PMs e professores da rede pública estadual entraram em confronto. Os fatos aconteceram no dia 29 de abril de 2015, no Centro Cívico, em Curitiba, registrando-se 213 feridos. Os manifestantes tentavam impedir a votação da lei que promoveu confisco de fundos da Paraná Previdência.
PETIÇÃO inicial foi rejeitada pelo juízo de 1º grau em agosto de 2017. Dois meses depois, o MP pediu a reforma da decisão e o regular processamento da ação. Na tarde de 11 de junho de 2019, quando o processo foi objeto de uma primeira apreciação no TJPR, o procurador de Justiça destacou que houve evidente desvio de finalidade na ação da PM. Por isso, segundo ele, haveria a necessidade de prosseguir o devido processo legal com contraditório e com ampla defesa para que o episódio fosse devidamente esclarecido e, se fosse o caso, que as autoridades envolvidas fossem punidas. 
DE acordo com o entendimento unânime da 5ª Câmara Cível, a PM agiu no estrito cumprimento do dever legal com o objetivo de resguardar a atividade das funções estatais, assegurando a realização da votação do projeto de Lei 252/2015, que ocorria na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Assim, o TJPR considerou que o então governador do Estado, o secretário de Segurança Pública e o comando da PM não praticaram atos de improbidade administrativa na gestão da operação.
FRASE: Tanta gente obesa de palavras e anoréxica de sentimentos que não sei se engulo ou se faço dieta (Popular).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.