Colunista
DINHEIRO não falta quando se trata de política no País. Os partidos políticos brasileiros receberam, nos primeiros seis meses de 2019, um total de R$ 365,3 milhões de dinheiro público. O Fundo Partidário é composto por multas e penalidades em dinheiro aplicadas de acordo com o Código Eleitoral e outras leis vinculadas à legislação eleitoral; recursos financeiros que lhes forem destinados por lei, em caráter permanente ou eventual; doações de pessoa física ou jurídica, efetuadas por meio de depósitos bancários diretamente na conta do Fundo Partidário; e dotações orçamentárias da União. 
CONFORME prevê a lei dos partidos, o valor da dotação anual nunca poderá ser inferior ao número de eleitores inscritos em 31 de dezembro do ano anterior ao da proposta orçamentária, multiplicado por R$ 0,35 (em valores de agosto de 1995). O Orçamento da União para 2019 aprovado pelo Congresso prevê que o fundo deve distribuir aos partidos até o final do ano um total de R$ 927,7 milhões. 
ATUALMENTE recebem o fundo as legendas que atingiram no pleito de 2018 pelo menos 1,5% dos votos válidos nas eleições para a Câmara dos Deputados, distribuídos em pelo menos um terço das unidades federativas, com no mínimo 1% de votos válidos em cada uma delas. Ou, ainda, as siglas que elegeram ao menos nove deputados federais distribuídos em pelo menos um terço das 27 unidades da Federação. Esse cálculo será válido até 2022, já que a EC prevê o ajuste escalonado do percentual até o ano de 2030.
OS 21 partidos que atingiram os critérios estabelecidos na emenda para receber os valores do Fundo Partidário foram: PSL, PT, PSDB, PSD, PP, PSB, MDB, PR, PRB, DEM, PDT, PSOL, Novo, Pode, PROS, PTB, Solidariedade, AVANTE, PPS, PSC e PV. As demais siglas ficaram impossibilitadas de receber os recursos, pois não alcançaram a cláusula de barreira estabelecida para as Eleições de 2018. Com isso, alguns partidos deixaram de existir ou fizeram fusão com outras legendas, resultando, hoje, na existência de 33 partidos políticos. Desses, desde o último mês de junho, 23 já são aptos ao recebimento de cotas do fundo.
AUMENTARAM 46% as mortes causadas pela violência policial no Estado do Rio entre janeiro e junto deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. O dado foi divulgado nesta terça-feira (9), pelo Observatório de Segurança da Universidade Cândido Mendes e revela que, sob o governo de Wilson Witzel as ações são muito mais frequentes do que quando o Rio estava sob intervenção militar na segurança. No primeiro semestre do ano passado foram registradas 82 mortes por ação de agentes de segurança. Neste ano o número saltou para 120.
EM poucas horas de funcionamento terça (16), a plataforma Não Me Perturbe, criada pelas operadoras de telefonia para consumidores que não querem receber chamadas de telemarketing, recebeu mais de 320 mil cadastros de consumidores. Eles fizeram 240 mil solicitações de bloqueio para não receberem ligações para venda de pacotes de telefone, internet ou TV por assinatura, informou o SindiTelebrasil (sindicato que reúne as companhias do setor). Foram em média 13 mil acessos simultâneos, com pico superior a 40 mil acessos só na parte da manhã. A lista promete livrar consumidores de ligações das companhias participantes 30 dias após a inclusão dos dados do consumidor. Reclamações de consumidores devem ser feitas pela central telefônica da Anatel, no número 1331.
SALDO de empregos gerados pelos pequenos negócios em maio de 2019 superou em 10% o resultado registrado no mesmo período do ano passado. Em maio as micro e pequenas empresas, foram responsáveis pela criação de 38 mil empregos no país, enquanto as médias e grandes corporações registraram saldo negativo, demitindo 7,2 mil trabalhadores, conforme levantamento do Sebrae feito com base nos números do Caged, do Ministério da Economia. Ao total, adicionando o saldo da Administração Pública, foram geradas 32.140 vagas no Brasil no quinto mês do ano.
Porém, o resultado ficou 61% abaixo do verificado pelo mesmo segmento no mês anterior (abril). As micro e pequenas empresas (MPE) ligadas ao setor da Agropecuária lideraram a geração de novas vagas, com 25 mil postos de trabalho, seguidas por Serviços, enquanto que comércio e indústria da transformação tiveram saldos negativos.
No acumulado dos cinco primeiros meses de 2019, os pequenos negócios responderam pela criação de 326,6 mil novos empregos no País, 35 vezes mais que os empregos gerados pelas médias e grandes empresas. Porém, esse saldo foi 9,6% inferior ao registrado por eles no mesmo período de 2018.
DEPUTADO federal Filipe Barros (PSL) visita Paranavaí nesta quinta (18). Ele se reunirá com amigos às 14h30 na Aciap.
SETOR vitivinícola brasileiro comemora os números das exportações de vinhos  tranquilos e espumantes do 1º semestre de 2019. Segundo dados do Comex Stat, de janeiro a junho as vinícolas negociaram US$ 6.077.680,00, o que representa um crescimento de 66,75% em relação ao mesmo período do ano passado.
IGP10 (Índice Geral de Preços-10), medido pela FGV, registrou inflação de 0,61% em julho. O percentual é superior ao observado em junho (0,49%). Com isso, o índice acumula 4,41% no ano e 6,23% em 12 meses. A alta da taxa na passagem de junho para julho foi puxada pelos preços no varejo e pelo custo da construção.
MAIORIA da população brasileira é contra a privatização dos Correios e, principalmente, da Petrobras. É o que mostra recente sondagem do Instituto Paraná Pesquisas que ouviu 2102 pessoas entre os dias 20 2 25 de junho em todo País. São contra a privatização dos Correios 55,1% dos entrevistados; são a favor 38,2%. Em relação a Petrobras, 61,5% são contra e 32% a favor.
COORDENADOR da Lava Jato no Ministério Público Federal do Rio de Janeiro, Eduardo El Hage, afirmou terça (16) que a decisão do presidente do STF, Dias Toffoli, tomada a pedido do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) “suspenderá praticamente todas as investigações de lavagem de dinheiro no Brasil”. Em nota El Hage afirma que “ao exigir decisão judicial para utilização dos relatórios do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras)”, o ministro “ignora o macrossistema mundial de combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento ao terrorismo e aumenta o já combalido grau de congestionamento do judiciário brasileiro”.
COORDENADORA da Câmara Criminal do Ministério Público Federal, subprocuradora-geral Luiza Frischeisen, afirmou que a cúpula do órgão está preocupada com a extensão que essa decisão de Dias Toffoli pode tomar, porque ela iria de encontro a uma questão de ordem analisada anteriormente pelo Supremo que afirma que em casos similares não há suspensão de ações em andamento. Segundo Frischeisen, o tema ainda tem sido analisado pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que estuda como irá se manifestar sobre o caso. Outros procuradores também se manifestaram criticamente à decisão de Toffoli.
FRASE: Experiência não é o que acontece com um homem; é o que um homem faz com o que lhe acontece (Aldous Huxley).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.