Colunista
SETOR público brasileiro, que engloba governo federal, estadual, municipal e empresas estatais teve déficit primário no primeiro semestre (relação de receitas/despesas, mas sem contar os juros) de R$ 5,740 bilhões, segundo divulgou o Banco Central (BC) segunda-feira (29). O desempenho é melhor do que o registrado no ano passado, quando o rombo foi de R$ 14,424 bilhões. Apesar de negativo, esse é o melhor resultado para o período desde 2015, quando houve superávit de 16,2 bilhões de reais. As informações são de Veja.
BANCO Central também divulgou dados sobre a dívida pública. A dívida bruta fechou em junho aos R$ 5,499 trilhões, o que representa 78,7% do Produto Interno Bruto (PIB). O porcentual é igual ao verificado em maio. No melhor momento da série, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB. A dívida bruta abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais – é uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de solvência do país. Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil.
PARANÁ está na vanguarda em transplante de órgãos no Brasil. Só nos primeiros quatro meses do ano foram realizados 235 procedimentos, sendo 155 de rim, 76 de fígado, quatro de coração, além de 254 de córneas. Os números colocam o Estado na liderança nacional na realização de transplantes. 
PRESIDENTE dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira ter “um grande relacionamento” com o Brasil e com o presidente Jair Bolsonaro, a quem o americano chamou de “um homem fantástico”, que tem “uma família maravilhosa” e está fazendo “um grande trabalho” ao governar o País. As declarações foram dadas em resposta a uma pergunta durante entrevista nos jardins da Casa Branca, antes de embarcar em um helicóptero.
PRESIDENTE Bolsonaro questionou nesta terça-feira (30) a legitimidade da Comissão da Verdade que apurou crimes cometidos no regime militar.
Ele deu a declaração ao ser perguntado por jornalistas sobre a conclusão da comissão para a morte de Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz.
De acordo com a Comissão da Verdade, Fernando foi preso e morto por agentes do Estado brasileiro na ditadura militar. A Comissão da Verdade foi constituída por sete membros indicados pela ex-presidente Dilma. Portanto…
IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) aumentou 0,40% neste mês contra 0,80% em junho. O índice registra neste ano alta de 4,79%. No acumulado dos últimos 12 meses a alta é 6,39%. O IGPM é usado como referência para o reajuste dos aluguéis. A taxa de julho deste ano é inferior à registrada no mesmo mês de 2018, quando o índice havia subido 0,51% no mês e acumulava alta de 8,24% em 12 meses. Depois de uma alta de 1,16% no mês passado, o Índice de Preços ao Produtor Amplo também ficou em 0,40% em julho. 
SEGUNDO a FGV, os alimentos in natura foram os principais responsáveis pela alta, cuja taxa passou de 4,95% negativos para 0,58%. O Índice de Preços ao Consumidor subiu 0,16% em julho, após queda de 0,07% em junho. As principais contribuições para o índice foram: alimentação (-0,55% para 0,22%) e habitação (0,17% para 0,55%). O grupo hortaliças e legumes passou de 4,37% negativos para 1,60%, no período. O Índice Nacional de Custo da Construção subiu 0,91% em julho, ante 0,44% no mês anterior.
LUCRO líquido recorrente do Itaú Unibanco foi de R$ 7,034 bilhões no 2º trimestre deste ano. Cifra 10,2% maior que no mesmo intervalo de 2018, de R$ 6,382 bilhões. Em relação aos três meses imediatamente anteriores, quando o resultado foi de R$ 6,877 bilhões, o aumento foi de 2,3%. A carteira de crédito do Itaú somou R$ 659,7 bilhões no fim de junho, elevação de 2,0% em relação a março. Em um ano, cresceu 5,9%. 
NO 2º trimestre o destaque na carteira do banco foram as micro, pequenas e médias empresas, com avanço de 5,3% ante os três meses anteriores e 19,0% em um ano, e ainda pessoas físicas, com altas de 3,1% e 14,0%, respectivamente. Já o crédito para grandes empresas subiu 1,5% no 2º trimestre ante o 1º, mas encolheu 1,8% em 12 meses. O patrimônio líquido do Itaú era de R$ 125,737 bilhões no 2º trimestre, elevação de 3,3% em um ano e de 4,9% no comparativo trimestral. Já a rentabilidade recorrente sobre o patrimônio líquido médio do banco (ROE, na sigla em inglês) era de 23,5% ao fim de junho ante 23,6% em março e 21,6% um ano antes.
SENADORES e deputados precisarão analisar em agosto 11 medidas provisórias com temas variados, que vão desde mudanças na estrutura governamental até novas regras para a venda de bens apreendidos de traficantes. A maioria aguarda avaliação na comissão especial, e as mais próximas do vencimento expiram no final do mês. O recesso do Congresso termina nesta sexta-feira.
ESTADOS e Distrito Federal têm em conjunto uma dívida de R$ 1,12 milhão com cada um dos servidores incluídos em seus RPPSs (Regimes Próprios de Previdência Social). As informações são do Diário do Poder. O cálculo faz parte do estudo especial da IFI (Instituição Fiscal Independente), do Senado, sobre a situação das previdências estaduais. O valor se refere ao déficit atuarial das unidades da Federação, que registra a diferença entre receitas e despesas projetadas em prazos mais longos. Nesse caso obteve-se um resultado negativo total de R$ 5,2 trilhões, que representa quase nove anos da receita líquida dos entes. 
EM relação ao resultado financeiro das previdências estaduais, que é a diferença entre receitas e despesas no ano, o mesmo estudo mostra que os estados brasileiros gastam, em média, cerca de um quarto da sua receita líquida com despesas previdenciárias. Se os estados forem incluídos na reforma previdenciária, considerando as regras apresentadas na primeira versão do projeto do governo Jair Bolsonaro, a economia poderia chegar a R$ 350,7 bilhões em 10 anos, segundo projeção da IFI. 
CÂMARA votará o 2º turno da reforma em agosto. Isso representaria uma redução de cerca de 40% no déficit. Ficariam aquém dessa média estados como Minas Gerais, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina. Os motivos dos desequilíbrios nas previdências estaduais foram abordados em outro estudo do Ipea, que aponta os fatores do aumento de 50% no déficit de 2006 a 2015, em dados atualizados pela inflação. Entre as explicações estão o aumento de 38% no número de inativos e de 33% no valor médio dos benefícios. 

HOJE
em quatro estados já há mais inativos do que ativos em Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Entre os rombos mais elevados estão os dois últimos. O Rio de Janeiro, Estado com maiores escândalos de corrupção, é recordista em receitas e despesas, mas a arrecadação é insuficiente para tirar o estado da lista dos piores déficits.
FRASE: Livre-se dos bajuladores! Mantenha perto de você as pessoas que te avisem quando você erra (Barack Obama).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.