Colunista
PESQUISA realizada nos municípios onde as lideranças partidárias já se mexerem para tentar construir uma candidatura majoritária que crescerá até as eleições de 2020 mostra o apetite eleitoral dos políticos no Paraná. A sondagem foi realizada nas 35 maiores cidades do Paraná, que reúnem 80% da população do Estado. Para se chegar ao resultado foram analisadas as cidades em que cada partido manifestou vontade de lançar candidatura própria às prefeituras locais.
PT aparece na liderança da lista, com 21 cidades. Seguem-se MDB 17; PSD 16; PDT 15; PSDB 14; PV 13; PSol 10; PSC 9; Pros 8; PSB e Podemos 7; PP, Novo e Avante 6; PDTB 4; PCdoB 3; PSTU e Patriotas 2; SD, PRTB e PTC 1. Até agora não mostraram nenhum apetite eleitoral o PCB e o PCO. 
CASA Civil do governador Ratinho Jr confirmou ao ex-prefeito Rogério Lorenzetti a audiência solicitada pela Sociedade Civil Organizada de Paranavaí dia 26 às 14h no palácio Iguaçu. As lideranças comunitárias vão reforçar os pedidos já feitos através da entidade sobre a duplicação da BR-376 até Mato Grosso do Sul; projetos de irrigação das lavouras; isenção de ICMS para usinas de energia solar fotovoltaicas; equipamentos para a Unidade II Morumbi da Santa Casa de Paranavaí e Curso de Medicina.  
CONGRESSO nacional retorna das férias e está na pauta do Senado para esta terça (6) a proposta de emenda à Constituição que é um “pito” no Supremo Tribunal Federal, limitando decisões monocráticas de ministros em processos que afetem políticas públicas ou suspendam tramitação legislativa. O autor, Oriovisto Guimarães (Pode-PR), quer acabar a “perpetuação dos efeitos” de liminares. Como uma do ministro Luís Roberto Barroso, que na prática legalizou o aborto no Brasil, apesar da proibição legal. A informação é de Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
PEC de Oriovisto cita na sua justificativa “riscos à separação de Poderes ao Estado de Direito provocados pelo ativismo irrefletido” no STF. Também cita “riscos provocados pela postura errática” e pela “atuação atentatória ao princípio da colegialidade” verificada no STF.
ECONOMISTAS do mercado financeiro reduziram de 5,50% para 5,25% ao ano sua estimativa para a taxa básica de juros no fim deste ano. Isso significa que eles esperam um corte maior da taxa Selic em 2019. A projeção consta no Relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira (5) pelo Banco Central. 
CÂMARA Federal reembolsou o deputado pastor Marco Feliciano (Podemos-SP) em R$ 157 mil referentes a um tratamento odontológico. O parlamentar argumentou que precisava corrigir um problema de articulação na mandíbula e reconstruir o sorriso com coroas e implantes na boca, segundo publicado no jornal Estadão. O pedido de reembolso do parlamentar foi apresentado em abril à área de perícia da Câmara, mas foi rejeitado pela equipe técnica. Na avaliação do setor havia uma incompatibilidade entre os valores apresentados e os preestabelecidos pela Casa, além de problemas na descrição de parte dos procedimentos. Com um laudo de seu dentista, Feliciano recorreu da decisão. A Mesa Diretora, formada por sete parlamentares, acabou aprovando o gasto, que será pago com o dinheiro público.
CÂMARA Federal oferece gratuitamente aos seus 513 parlamentares – tudo pago com dinheiro público – um total de 70 médicos de 17 especialidades diferentes, como psiquiatria e clínica geral. De acordo com reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo na segunda-feira ontem (5) a assistência médica e odontológica de deputados já custou R$ 93 milhões aos cofres públicos apenas no 1º semestre deste ano – o equivalente a quase o total da quantia gasta em 2018 (R$ 100 milhões) e o montante previsto para 2019 (R$ 117 milhões). O valor paga a equipe médica própria e reembolsos com tratamentos particulares apresentados pelos parlamentares por meio de notas fiscais. 
NO ano passado, o valor de reembolso gasto pela Câmara chegou a R$ 8 milhões. Desse valor, cerca de 40% foi pago apenas ao ex-deputado Sabino Castelo Branco (PTB-AM), que teve direito a reaver R$ 3,2 milhões após um longo período internado no Hospital Sírio-Libanês para tratar um acidente vascular cerebral (AVC).
MÉDIAS globais de temperatura do último mês de julho foram “marginalmente mais altas” do que as de julho de 2016 – o julho mais quente até então. O aquecimento da temperatura média do planeta em julho foi de aproximadamente 1,2°C em relação aos níveis pré-industriais. O resultado é muito próximo do limite de 1,5°C estipulado pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) da ONU para conter os cenários mais desastrosos das mudanças climáticas, como a submersão dos países-ilha.
MÊS anterior também já havia batido o recorde global; foi o junho mais quente da história. Até agora, todos os meses de 2019 estão entre os quatro mais quentes para o mês em questão. Além disso, os últimos quatro anos (2015 a 2018) foram globalmente os quatro anos mais quentes já registrados. A avaliação divulgada na sexta-feira (2) pela Copernicus Climate Change Service, instituição ligada à União Europeia, trata das temperaturas dos dias 1° a 29 de julho. A medição, feita com dados meteorológicos colhidos em todo o mundo e processados pela agência europeia, é comparada com cinco bases de dados históricos, incluindo bases de universidades, da agência de meteorologia do Japão e da Nasa.
EM entrevista à imprensa na última quinta-feira (1), Guterres reforçou as metas mais ambiciosas indicadas pelo IPCC: Precisamos cortar 45% das emissões de gases-estufa até 2030; precisamos ser neutros em emissão de carbono até 2050.
Questionado sobre um possível recado para os Estados Unidos, que podem deixar o Acordo de Paris, Guterres sugeriu que o acordo já não seria suficiente. 
ESTUDO divulgado pelo Ministério do Turismo revela que quem vive em lugares quentes costuma querer viajar para lugares frios, ao passo que quem vive em lugares frios quer turistar em locais com mais calor. O estudo em foco realizou uma medição dos estados de origem de cada uma das agências consultadas com os destinos escolhidos pelos viajantes. No caso do Paraná, o estado, por um lado, costuma receber mais turistas do Nordeste (37,9% do total) do que de qualquer outra região. Por outro lado, quando são os paranaenses os turistas, o destino preferido é justamente o Nordeste (em 50,5% dos casos). Entre os paranaenses os destinos mais demandados são: Pernambuco (13,6%), Alagoas (12,5%), Piauí (12,5%), o próprio Paraná (9,8%) e Roraima (9,1%). Já os estados cuja população mais costuma visitar o Paraná são o Rio Grande do Norte (9,8%), Alagoas (7,4%), Bahia (6,5%) e Sâo Paulo (6%).
COM relação à composição do público, o estudo revela ainda que os casais com filhos correspondem ao maior número (37%) dos viajantes que utilizam agências de viagens, seguidos dos casais (22%), e viagens em família (21%). Sol com praia é o principal destino demandado pelos turistas (49%). Destinos culturais e com títulos de patrimônio histórico ficam com o segundo lugar (16%), enquanto viagens a trabalho (10%) e por ecoturismo (9%) ocupam a terceira e quarta posições.
UMA outra pesquisa, o Guia Travel Hacker 2019 do Kayak, também divulgado recentemente, revela ainda que Curitiba é um destino que está em alta para as férias. Segundo o estudo, as buscas para viagens nas férias de julho na Cidade Modelo cresceram 182% neste ano na comparação com o ano passado, sendo o quinto destino que mais cresceu em procura, atrás apenas de Brasília (+225%), Ilhéus (+211%), João Pessoa (+193%) e Joinville (+188%).
FRASE: Faça parte da solução, ao invés de ser parte do problema (LAIR RIBEIRO).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.