Colunista
“RELATÓRIO Estatístico Criminal” divulgado quinta-feira (8) pela Secretaria de Estado da Segurança Pública do Paraná, com dados referentes ao primeiro semestre deste ano, mostra que a cada 43 segundos um boletim de ocorrência (B.O.) é registrado no Paraná. Entre janeiro e junho, revela o documento, o Estado registrou um total de 357.274 ocorrências criminais, o que aponta para uma queda de 1,97% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando haviam sido registrados 364.306 crimes. O levantamento considera os crimes contra a pessoa (como homicídio e lesões corporais), os crimes contra o patrimônio (roubo, furto, estelionato e outros), os crimes contra a dignidade sexual (estupro, assédio sexual, etc), os crimes contra a administração pública (peculato, prevaricação, corrupção ativa e passiva) e os demais crimes consumados.
DENTRE os diversos tipos penais com dados mais detalhados no relatório Sesp, aqueles que tiveram crescimento mais expressivo de ocorrências foram os crimes de ameaça e ocorrências envolvendo tráfico de drogas, com aumento de 4,27% e 5,82%, com um total de 57.793 e 6.294 ocorrências, respectivamente. Por outro lado, os casos de furto e roubo consumados e de furto e roubo de veículos tiveram expressiva queda nos seis primeiros meses deste ano. Os casos de furto consumado, por exemplo, caíram 12,24%, passando de 87.766 registros no 1º semestre de 2018 para 77.502 no mesmo período de 2019. As ocorrências de roubo consumado, por sua vez, caíram 22,01%, passando de 31.076 para 25.470. Já os casos de furto e roubo de veículos caíram 12,98% e 37,79%, passando de 8.784 e 4.219 casos para 7.823 e 3.062, respectivamente.

CÂMARA Municipal de Quedas do Iguaçu, no sudoeste do Paraná, cassou o mandato da prefeita Marlene Revers (Pros), na última terça-feira (6). Marlene foi cassada pela compra de 6,5 toneladas de bolo. A posse do vice-prefeito Anelson Unialli (PSB), marcada para a tarde de quinta-feira (8), foi transferida para segunda-feira (12), pois Unialli não compareceu à sessão de posse do cargo de prefeito.
MAS o juiz Vitor Toffoli, da Vara da Fazenda Pública de Quedas do Iguaçu, suspendeu na tarde desta sexta-feira (9), de forma liminar, a cassação da prefeita da cidade Marlene Fátima Manica Revers, e determinou o retorno dela imediatamente às funções para a qual foi eleita em 2016. Contudo, o magistrado decidiu que a Câmara Municipal poderá designar nova data para a sessão de julgamento da Comissão Processante sobre supostos gastos excessivos feitos pela prefeita.

SITUAÇÃO da concessionária Econorte, de Jacarezinho, até parece uma piada comum no Brasil atual. Ao longo das últimas duas décadas, foram várias as liminares alterando as regras do pedágio na área de atuação, mas, de um ano e meio para cá, depois que a empresa apareceu entre as investigadas da Operação Lava Jato, a sequência de decisões judiciais se intensificou. A mais recente veio do ministro Dias Toffoli, do STF, que revogou uma medida anterior e, assim, autorizou a reabertura da praça de pedágio, mais uma vez. A concessionária informou que vai retomar a cobrança no local neste domingo, dia 11 de agosto, e suspender as atividades na praça de Cambará, que estava momentaneamente ativa.
RENDA per capita do país deve ficar estagnada este ano. E mais: só deve voltar ao patamar pré-crise em 2026. A queda de renda, porém, não foi homogênea. Isso porque grupos tradicionalmente excluídos foram os que sentiram os efeitos mais agudos da crise econômica. Segundo levantamento do economista Marcelo Neri, da FGV Social, com base na Pnad Contínua, do IBGE, a renda média do brasileiro caiu 2,4% de 2014 a 2018. Entre os analfabetos, porém, a queda foi 10 vezes mais brusca: 23,2%. Na prática, esses brasileiros perderam quase um quarto da renda no período.
ENTRE negros, a perda de renda foi o triplo da média (7,4%) assim como a dos habitantes do Nordeste. Já para os que moram no Norte a retração foi de 11,8%. Jovens de 20 a 24 anos também viram seus rendimentos encolherem 17,6%. O pesquisador observa ainda que o aumento da desigualdade – que cresce há 17 trimestres seguidos – é um dos fatores responsáveis pelo lento ritmo da retomada da economia brasileira.
NO levantamento Neri aponta que o único grupo que teve um resultado positivo foram as mulheres, que viram a renda média crescer 2% entre 2014 e 2018, enquanto a dos homens recuou 5%. É que a taxa da participação das mulheres no mercado de trabalho cresceu 5,5%, enquanto a dos homens teve uma leve queda. Outro fator é a escolaridade. As mulheres têm, em média, mais de um ano e meio de estudo que os homens. Com isso, a relação salário-hora por anos de estudo, embora tenha recuado para todos, caiu menos para mulheres.
GRUPO Madero deve concluir até o final do mês a compra do parque multitemático Beto Carrero World, um dos maiores da América Latina e sediado em Penha-SC. As negociações estão na reta final e já foram realizadas as diligências necessárias. As negociações começaram em novembro e tinham, pelo menos, outros dois interessados: os fundos Advent, que opera redes de varejo como o Walmart, no Brasil, e o Carlyle, que detém, desde janeiro, uma participação de 22% no Madero. Mas a balança pendeu para o lado da rede de sanduíches criada em 2005 pelo empresário Junior Durski, avaliada hoje em R$ 3 bilhões. Com 175 lojas no País, o Madero deve encerrar o ano com 20 novas unidades, contando as marcas Madero, Jerônimo e Steak House. A mãe, o filho e a irmã de Beto Carrero, que morreu em 2008, são os atuais donos do parque. A família decidiu se desfazer do negócio por ter se mudado para os Estados Unidos. 

GOVERNO
finaliza texto para a Reforma Tributária que deverá ser anunciada semana que vem. Ela deverá ter um tripé formado por mudanças no Imposto de Renda da Pessoa Física, imposto único sobre consumo e serviços e a volta da contribuição previdenciária sobre movimentações financeiras (CPMF). Os detalhes foram apresentados pelo secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, durante evento promovido pelo banco BTG Pactual quinta-feira (7), em São Paulo. 

SEGUNDO
Cintra, a íntegra da reforma será apresentada na semana que vem por Guedes. Não haverá revisão na carga tributária. O governo estuda corrigir pela inflação a faixa inferior de isenção do Imposto de Renda (hoje em R$ 1.903,98 mensais), além de promover um corte linear nas alíquotas de todas as faixas de renda. A medida seria uma recompensa ao fim das deduções de gastos com saúde e educação. Hoje, as renúncias das despesas médicas beneficiam apenas os 20% mais ricos da população brasileira, segundo estudo do Ministério da Economia. 
RESULTADO mostra que a política de concessão desse subsídio dado pelo governo alimenta o caráter regressivo do Sistema Tributário Nacional, no qual quem ganha menos paga proporcionalmente mais do que os de renda mais elevada. Ou seja, as deduções médicas tendem a aumentar a desigualdade de renda do país. Com as deduções médicas, o governo abre mão de R$ 45,9 bilhões em tributos. O fim das deduções também atingiria os gastos com educação. Ao contrário das despesas com saúde, há um limite de descontos no IR com educação própria ou de dependentes, que é de R$ 3.561,50 por pessoa. Patrocinada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a “PEC Baleia/Appy” foi desenhada no modelo de imposto sobre o valor agregado (IVA) que existe em vários países do mundo. O IBS unificaria num único tributo o IPI, PIS, Cofins (todos do governo federal), ICMS (Estados) e ISS (municípios).
FRASE: Se uma sociedade livre não pode ajudar os muito pobres, não poderá salvar os poucos ricos (John Fitzgerald Kennedy, político estadunidense).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.