Colunista
TRIBUNAL de Contas do Paraná atualizou o mapa interativo das auditorias realizadas nos municípios do Estado. Agora, esse material, que pode ser acessado pelo portal do TCE-PR na internet e visualizado por meio da ferramenta Google Maps, reúne as informações de fiscalizações presenciais executadas por servidores do Tribunal em 303 municípios do Estado entre 2016 e 2018. São cerca de 1.900 achados de auditoria e 4.600 recomendações às prefeituras para melhorar serviços e programas em áreas essenciais da administração pública, como saúde, educação, obras, gestão do lixo e transporte público. 

MAPA
interativo apresenta, de maneira didática e visualmente atrativa, as conclusões das auditorias e as recomendações feitas ao município auditado para solucionar as irregularidades ou falhas de gestão verificadas, durante as visitas, pelos analistas e técnicos de controle da corte. As auditorias integraram o Plano Anual de Fiscalização (PAF) de 2016 a 2018 – ano que acaba de ser incorporado ao mapa. No caso de Paranavaí entre as verificações do Tribunal de Contas estão a falta de transparência e publicidade às informações dos investimentos do RPPS conforme determinado em norma; Parametrizar o sistema informatizado para gerar a correta contabilização dos eventos previdenciários (inconsistência de registros contábeis), entre outras.
AUDITORES do Tribunal de Contas estiveram em 67 municípios ao longo do primeiro semestre do ano para realizar fiscalizações previstas no Plano Anual de Fiscalização (PAF) de 2019. Das 60 visitas realizadas por analistas de controle externo da Coordenadoria de Auditorias (Caud) do órgão, 21 delas serviram para validar as respostas apresentadas pelos gestores nos questionários utilizados para aferir o Índice de Eficiência da Gestão Municipal (IEGM); 16 para verificar o funcionamento dos instrumentos de controle interno dos entes; 13 para averiguar a qualidade da prestação de serviços de atenção à saúde; e 10 para avaliar a gestão de resíduos sólidos por parte das prefeituras. 
NO mesmo período, a unidade técnica do TCE-PR também desenvolveu ações de planejamento para preparar as auditorias que serão realizadas em mais municípios no segundo semestre, contemplando as áreas do transporte coletivo, educação e receita pública. Além das sanções propostas em função das irregularidades encontradas quando da realização dos oito procedimentos, foi requisitada a restituição, às entidades prejudicadas, de R$ 18.178.983,55 utilizados de forma indevida por seus gestores. As solicitações da Caud constam em processos que ainda devem ser julgados pelos órgãos colegiados do TCE-PR. Por fim, a unidade técnica do Tribunal também auditou, no período, R$ 283.115.934,07 em recursos repassados, por meio de nove contratos de financiamento externo.

MINISTRO
Sergio Moro enviou ofício ao colega da Fazenda, Paulo Guedes, para reclamar do corte de 32% no orçamento para 2020 do Ministério da Justiça. O corte, segundo o ofício, criará um “alarmante cenário de inviabilização de políticas públicas de segurança, cidadania e justiça essenciais para a sociedade brasileira”.
DO promotor Luiz Eduardo de Oliveira Azevedo, 57 anos, membro do Ministério Público desde 1990, sempre atuando na área criminal, que aposta na construção de presídios para fazer frente à criminalidade e critica o que diz ser uma “mentalidade abolicionista”, que defende prender cada vez menos: “Matar para eles é uma coisa tão simples como tomar um guaraná na esquina”; “Não querem que as pessoas fiquem presas; querem soltar todo mundo”.

PELO
menos 35% dos consumidores inadimplentes revelam-se interessados em regularizar sua situação pelos próximos três meses e querem tentar um acordo com os credores. A partir daí a ideia desse contingente de devedores é parcelar o valor do débito pendente, destaca pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). O estudo revela ainda que 55% das pessoas com contas atrasadas acreditam na possibilidade de ter condições de regularizar as dívidas. Dentro desse contingente, 35% pretendem pagar integralmente e 16% querem fazer isso parcialmente. Por outro lado, 45% dos inadimplentes não se veem com condições financeiras de quitar as dívidas em um período de três meses.
AINDA de acordo com o levantamento, 75% dos entrevistados comprometeriam o pagamento de contas básicas. E outros 21% garantem ter uma situação confortável diante de todo esse cenário. Levantamento recente do serviço de cobrança digital Negocia Fácil em parceria com o Instituto Locomotiva aponta que 79% das pessoas em situação de inadimplência preferem pagar as dívidas diretamente para as empresas credoras, em vez de negociar com terceirizadas. O estudo Negocia Fácil/Instituto Locomotiva mostra ainda que 89% dos inadimplentes gostariam de ser mais ouvidos pelas empresas. O pedido vem num esforço de se chegar a um bom acordo. De acordo com a análise, 84% desse público acredita que as empresas não se importam realmente com os seus clientes em meio ao empenho de fechar uma conciliação, mas somente com os seus lucros.
GOVERNADOR Ratinho Junior (PSD) aproveitou a presença de deputados e prefeitos no Palácio Iguaçu na tarde de segunda-feira (26), durante lançamento de um pacote de obras, para anunciar que o estado terá mais 70 novos voos semanais pela Latam. Ele informou que os detalhes serão apresentados na sexta-feira (30). Várias cidades do Paraná serão atendidas. Além de reforços na quantidade de voos saindo de Curitiba, outros polos regionais, como Londrina e Foz do Iguaçu, estão na lista. A ideia é retomar o atendimento a Maringá. Além de rotas internas, ou seja, dentro do Paraná, também haverá ligações com outros estados, como São Paulo. As novas rotas se somam ao Programa Voe Paraná, em que 12 cidades do interior, entre as quais Paranavaí, passarão a ser atendidas pela Gol a partir de outubro (com venda de passagem a partir de 2 de setembro).
QUEIMADAS na Amazônia é o assunto mundial do momento. Para o presidente Bolsonaro e para muitos observadores existe um complô contra o Brasil, armado por interessados em explorar a reserva brasileira, destacando-se o presidente da França. 
PRESIDENTE Bolsonaro justificou as queimadas pelo imenso calor que a região enfrenta e outras situações de temperatura, além de exploradores que tocam fogo de propósito para retirar madeira e outras riquezas da região. As justificativas de Bolsonaro, também usadas por Lula em seu primeiro governo, foram criticadas, mas as de Lula, na época, foram corroboradas até pela grande mídia nacional, que agora se volta contra ele.
É INTERESSANTE saber: Nos primeiros sete meses do segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, em 1999, o INPE registrou 6.407 focos de incêndio no Bioma da Amazônia; Nos primeiros sete meses do primeiro mandato de Lula, em 2003, o INPE registrou 22.766 focos de incêndio no Bioma da Amazônia; Nos primeiros sete meses do segundo mandato de Lula, em 2007, o INPE registrou 16.761 focos de incêndio no Bioma da Amazônia; Nos primeiros sete meses do primeiro mandato de Dilma Rousseff, em 2011, o INPE registrou 5.990 focos de incêndio no Bioma da Amazônia; Nos primeiros sete meses do segundo mandato de Dilma Rousseff, em 2015, o INPE registrou 8.934 focos de incêndio no Bioma da Amazônia; Entre janeiro e julho de 2017, durante a presidência de Michel Temer, o INPE registrou 13.079 focos de incêndio no Bioma da Amazônia; Nos primeiros sete meses do mandato de Jair Bolsonaro, em 2019, o INPE registrou 15.924 focos de incêndio no Bioma da Amazônia.
FRASE: Se a sociedade quer mudanças, tem de parar de esperar só pela Lava Jato (Deltan Dallagnol).

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.