Cotidiano

Aglomerações, desprezo por medidas individuais de segurança e ocupação de 100% da UTI da Santa Casa são sinais de alerta

Em reunião realizada na manhã desta terça-feira (08), por videoconferência, a diretoria da Associação Comercial e Empresarial de Paranavaí (Aciap) manifestou preocupação com a possibilidade de ocorrer novo fechamento do comércio e outras empresas da cidade por conta da pandemia do novo coronavírus, a Covid-19. O temor é decorrente das aglomerações que vêm ocorrendo nos últimos dias aliado ao desprezo da população a medidas básicas de segurança (uso de máscara, higienização das mãos, distanciamento social de 1,5m etc) e a ocupação de leitos de UTI da Ala Covid da Santa Casa, que chegou aos 100%.

Autoridades sanitárias já vinham detectando um certo relaxamento da população nas medidas individuais de segurança desde meados da primeira quinzena de agosto. Neste último final de semana, que foi prolongado, com o feriado de segunda-feira (07), Dia da Independência, houve grande aglomeração de pessoas, a maioria sem máscaras, às margens do Rio Paraná em Porto Rico e nas praças e ruas centrais de Paranavaí. E isto acontece justamente quando a Santa Casa de Paranavaí, que atende os 28 municípios da 14ª Regional de Saúde, está com 100% dos leitos de UTI ocupados, índice que começou a se agravar na semana passada, se prolongou no feriadão e se manteve nesta terça-feira.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), com um índice de 80% de ocupação dos leitos de UTI a recomendação já é de isolamento social (as pessoas ficarem em casa) para reduzir o ritmo de disseminação do vírus, achatar a curva de contaminação e evitar a falta respiradores de respiradores para pacientes.

“Não é hora de baixar a aguarda. Não é hora de relaxar”, disse o vice-presidente da Associação para assuntos de Saúde e diretor da Santa Casa, Héracles Alencar Arrais, durante a reunião. “O que vimos em Porto Rico este final de semana é como se não houvesse mais coronavírus ou como se já existisse a vacina e todos estivessem imunizados”, disse o gerente-executivo da Aciap, Carlos Henrique (Kaká) Scarabelli, representante da entidade junto ao COE Municipal.

Por sugestão da vice-presidente executiva Márcia Stainer Rakoski, a Aciap deverá produzir um vídeo com recomendações de medidas de biossegurança, que não devem ser afrouxadas. Na avaliação dela, que foi compartilhada com os demais diretores, pessoas da própria comunidade dão maior credibilidade e confirmm que o vírus está circulando e entre nós.

Para o presidente da Aciap, Maurício Gehlen, a população deve estar muito atenta às medidas de segurança que constam no decreto que autorizou a abertura das empresas durante a pandemia. “Um novo fechamento provocaria um enorme dano à nossa economia, que sequer se recuperou do fechamento que houve entre março e abril, sem contar que o recrudescimento de casos pode levar gente para os hospitais, UTI e até a morte. Infelizmente a Covid ainda está aí e exige muita atenção de todos”, disse ele.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.