Artigos
O cerrado sempre foi um bioma arredio. Quem quis vida fácil, atrás de riqueza passageira, como o ouro abundante do século 18, deu meia-volta. Quem buscou progresso, insistiu, ficou. Com cal, o solo tornou-se menos ácido e passou a aceitar espécies, até então, estranhas. A terra ganhou gado e lavoura. De uma clareira na mata, as árvores passaram a dividir espaço com o concreto das cidades. De arisco, o bioma ganhou ares generosos. Com trabalho e com uma mudança ali e acolá, o homem fez dele a casa de muitos brasileiros. Nos últimos 60 anos, o cerrado mudou como nenhum outro bioma brasileiro. Em suas terras, o Brasil expandiu a fronteira agrícola, garantiu a integração nacional e possibilitou a mais monumental façanha arquitetônica brasileira: a construção de Brasília. Mas o que tinha aspecto de simbiose começou a apresentar desgaste. O preço da transformação veio em forma de desequilíbrio. Se as chuvas tinham data para começar e período certo de ação, agora são perseguições diárias dos meteorologistas. Se jorrava água pelas nascentes, os rios e reservatórios estão cada vez mais secos. Se do fogo brotavam espécies, agora elas morrem nas chamas.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.