Destaque

Turistas que tenham contraído o coronavírus podem desencadear nova onda de transmissão nas cidades onde moram

 

O grande movimento de turistas e as aglomerações registradas em Porto Rico durante o feriadão podem resultar em surtos localizados de Covid-19 ao longo dos próximos 15 dias, com aumento de casos e de manifestações mais graves da doença. A falta de cuidados sanitários para reduzir os riscos de contágio expôs a necessidade de adotar medidas restritivas mais rígidas em prainhas do Noroeste do Paraná.

O chefe regional de Vigilância em Saúde, Walter Sordi Junior, disse que são esperadas ações conjuntas dos municípios com território margeado por rios. O primeiro passo seria fechar as rampas, dificultando o acesso dos visitantes. A decisão poderia ser intermediada pelo Consórcio Intermunicipal da APA Federal do Noroeste do Paraná (Comafen).

Outra medida fundamental é a contratação de agentes de fiscalização. O investimento em recursos humanos, no entanto, esbarra em restrições do Tribunal de Contas e da legislação eleitoral. Sendo assim, o apoio do Ministério Público no sentido de garantir que as prefeituras ampliem as equipes em regime emergencial poderia ter efeitos positivos.

As forças de segurança municipal e estadual também precisariam estar integradas às ações de fiscalização quanto ao cumprimento das regras sanitárias. Nesse sentido, a 14ª Regional de Saúde solicitou à Secretaria de Estado de Segurança Pública reforço de efetivo para o feriadão, informou o chefe de Vigilância em Saúde.

PREOCUPAÇÕES – Mesmo com todas as orientações sanitárias repassadas para os municípios, Sordi Junior disse que está preocupado com a repetição do que aconteceu no feriadão, com aglomerações de pessoas, nos próximos finais de semana. “Podem acontecer em menor escala.”

A grande preocupação é com a cadeia de transmissão. Uma pessoa que foi a Porto Rico pode ter contraído coronavírus e contaminar outras com quem convive em casa e no ambiente de trabalho, no supermercado, no comércio e nos mais diversos locais.

Com essa progressão, mais pacientes podem precisar de leitos hospitalares, mas na manhã de ontem, por exemplo, 100% das vagas de UTI na Ala Covid-19 da Santa Casa de Paranavaí estavam ocupadas. O hospital é referência para atendimento de moradores de todo o Noroeste do Paraná.

Sordi Junior destacou que é preciso pensar não somente nas questões comerciais e econômicas, mas também sanitárias. “Não estamos discutindo a necessidade de abrir o comércio. Sabemos que precisa. Mas não estão respeitando as regras.”

Imagens que circularam pela internet mostram como estava a situação em Porto Rico
Foto: Reprodução/Internet

 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.