NOROESTE DO PARANÁ

Turistas que tenham contraído o coronavírus podem desencadear nova onda de transmissão nas cidades onde moram

O grande movimento de turistas e as aglomerações registradas em Porto Rico durante o feriadão podem resultar em surtos localizados de Covid-19 ao longo dos próximos 15 dias, com aumento de casos e de manifestações mais graves da doença. A falta de cuidados sanitários para reduzir os riscos de contágio expôs a necessidade de adotar medidas restritivas mais rígidas em prainhas do Noroeste do Paraná.

O chefe regional de Vigilância em Saúde, Walter Sordi Junior, disse que são esperadas ações conjuntas dos municípios com território margeado por rios. O primeiro passo seria fechar as rampas, dificultando o acesso dos visitantes. A decisão poderia ser intermediada pelo Consórcio Intermunicipal da APA Federal do Noroeste do Paraná (Comafen).

Outra medida fundamental é a contratação de agentes de fiscalização. O investimento em recursos humanos, no entanto, esbarra em restrições do Tribunal de Contas e da legislação eleitoral. Sendo assim, o apoio do Ministério Público no sentido de garantir que as prefeituras ampliem as equipes em regime emergencial poderia ter efeitos positivos.

As forças de segurança municipal e estadual também precisariam estar integradas às ações de fiscalização quanto ao cumprimento das regras sanitárias. Nesse sentido, a 14ª Regional de Saúde solicitou à Secretaria de Estado de Segurança Pública reforço de efetivo para o feriadão, informou o chefe de Vigilância em Saúde.

PREOCUPAÇÕES – Mesmo com todas as orientações sanitárias repassadas para os municípios, Sordi Junior disse que está preocupado com a repetição do que aconteceu no feriadão, com aglomerações de pessoas, nos próximos finais de semana. “Podem acontecer em menor escala.”

A grande preocupação é com a cadeia de transmissão. Uma pessoa que foi a Porto Rico pode ter contraído coronavírus e contaminar outras com quem convive em casa e no ambiente de trabalho, no supermercado, no comércio e nos mais diversos locais.

Com essa progressão, mais pacientes podem precisar de leitos hospitalares, mas na manhã de ontem, por exemplo, 100% das vagas de UTI na Ala Covid-19 da Santa Casa de Paranavaí estavam ocupadas. O hospital é referência para atendimento de moradores de todo o Noroeste do Paraná.

Sordi Junior destacou que é preciso pensar não somente nas questões comerciais e econômicas, mas também sanitárias. “Não estamos discutindo a necessidade de abrir o comércio. Sabemos que precisa. Mas não estão respeitando as regras.”

 

Planejamento para receber turistas deve ser elaborado em Porto Rico

O Comitê de Operação de Emergência (COE) de Porto Rico volta a se reunir nesta quarta-feira, às 9 horas, com o objetivo de iniciar o planejamento para receber visitantes até 31 de dezembro deste ano. O desafio é traçar estratégias que garantam o cumprimento das regras sanitárias, em razão da pandemia de Covid-19, sem desaquecer a economia local.

Durante o último feriadão, aproximadamente 18 mil turistas passaram pelo município, “mas não estávamos preparados para receber tantas pessoas”, disse a secretária de Turismo Jussara Maria Stachoviak. Imagens que circularam pela internet durante o feriadão mostram como estava a situação na prainha.

Por causa das aglomerações, o Ministério Público enviou ofício à Prefeitura de Porto Rico orientando pelo fechamento das rampas de acesso ao Rio Paraná. O documento foi encaminhado na noite de sexta-feira. Na manhã seguinte, a sugestão foi acatada pela Administração Municipal, mas os integrantes do COE, em reunião de urgência, optaram pela reabertura, que aconteceu poucas horas depois.

A decisão foi contestada pela secretária de Saúde Maria Aparecida Cezarino Souza. Ela informou que a equipe responsável por fazer orientações sobre as regras sanitárias é insuficiente, especialmente diante de um público tão grande. Além disso, os servidores encontraram resistência de quem visitou Porto Rico: “As pessoas não tomaram os cuidados básicos”.

A expectativa da secretária de Turismo é que seja possível buscar parcerias junto ao empresariado local e ao Governo do Estado, visando à adoção efetiva das exigências sanitárias e ao reforço na fiscalização. Assim, disse, será possível receber turistas sem que haja riscos para a saúde pública.

1 comentário em “Aglomerações em prainhas podem provocar surtos de Covid-19, alerta Regional de Saúde

  1. Uma obviedade a afirmação de que o triste registro na prainha Santa Rosa resultará em surgimento de novos casos. Elementar, meu caro Watson, diria Sherlock Holmes.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.