DEBATE EM PARANAVAÍ

Encontro dos cinco concorrentes foi na noite de terça-feira: oportunidade para que os eleitores conhecessem mais sobre os planos de governo de cada um

A realização do debate entre os candidatos a prefeito representa a defesa incondicional da democracia. A discussão de ideias de modo transparente ajuda os eleitores a tirarem dúvidas e tomarem a melhor decisão. Assim a presidente da presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Subseção de Paranavaí, Célia Zanatta, avaliou o encontro dos postulantes à Prefeitura, na noite de terça-feira (10).

Na ocasião, os cinco concorrentes apresentaram propostas de governo e expuseram planos para o desenvolvimento da cidade. Entre perguntas e respostas, houve espaço para algumas alfinetadas e concessão de direito de resposta. Mas, apesar dos momentos de discursos mais ríspidos, o debate seguiu em tom ameno a maior parte do tempo – aproximadamente duas horas de duração.

O evento foi realizado a partir de uma parceria entre a OAB de Paranavaí, a Cúria Diocesana e a Rede de Rádios. Durante pronunciamento de boas-vindas, o bispo dom Mário Spaki destacou a importância do gestor público municipal. “A vocação do prefeito é ser luz dentro da cidade”, fala alusiva aos textos bíblicos. E completou dizendo que a Igreja Católica deve atuar na política de maneira apartidária, visando ao bem da comunidade.

Os cinco candidatos compareceram. Ao longo dos cinco blocos, responderam perguntas elaboradas por representantes das entidades organizadoras e fizeram questionamentos entre si, com oportunidade para comentários e réplicas. O mediador do debate foi o apresentador Léo Junior, da Band TV Maringá.

PROPOSTAS – Cesar Alexandre (PT) foi o primeiro a responder. Questionado sobre arborização e mobilidade urbana, o candidato disse que o corte indiscriminado de árvores precisa ser enfrentado de maneira efetiva. Propôs a reativação do Viveiro Municipal para distribuição gratuita de mudas e afirmou ser necessário haver planejamento para a recomposição da área verde.

Candidato à reeleição, Delegado KIQ (Pode) foi questionado sobre políticas públicas voltadas para a população socialmente vulnerável. Respondeu que tem trabalhado para garantir que os moradores dependam cada vez menos do poder público, a partir da geração de empregos e da independência financeira. O combate à fome também é prioridade, destacou, citando a construção do Restaurante Popular, na Vila Operária.

Sobre o enfrentamento aos efeitos econômicos da pandemia de Covid-19, Demerval Silvestre (PSC) declarou que fará parceria com entidades para a elaboração de projetos que beneficiem as empresas, através de incentivos. O resultado será a geração de empregos e renda. A classe empresarial terá representantes na gestão compartilhada que o candidato propõe, com a criação de conselhos consultivos.

A violência contra mulheres foi o tema dirigido a Marcos Aurélio (PSTU). Apresentou o desejo de criar um ambiente propício para o acolhimento das vítimas e defendeu políticas públicas que amparem e recuperem, assim, estarão preparadas para retornar à sociedade sem riscos de perseguição e morte. Tornar acessível a independência financeira é outra necessidade, sanada pela garantia de emprego a essas mulheres.

Na avaliação de Eduardo Dal Prá (PDT), cultura, esporte e lazer são fundamentais para a sociedade. Por isso, disse que se for eleito dará maior visibilidade ao Festival de Música e Poesia de Paranavaí (Femup). Também construirá ciclovias – questão não somente ligada à prática esportiva, mas à mobilidade urbana – e incentivará as modalidades de alto rendimento.

CANDIDATO PARA CANDIDATO – Nos dois blocos em que fizeram questionamentos entre si, os cinco postulantes a prefeito de Paranavaí abordaram diferentes temáticas.

Eduardo Dal Prá falou sobre a criação de uma cooperativa de energia solar. Cesar Alexandre defendeu a valorização salarial dos servidores. Demerval Silvestre disse que o funcionalismo público precisa ter mais espaço nas decisões da gestão municipal. Delegado KIQ informou que protocolou na Justiça a prestação de contas de seu governo (2017-20). Marcos Aurélio propôs a implantação de uma empresa pública para obras de infraestrutura.

No quesito segurança pública, Delegado KIQ se posicionou favoravelmente à solução pacífica de conflitos e defendeu projetos de ressocialização de presos. Segundo ele, atualmente, 30 pessoas privadas de liberdade trabalham em setores do poder público.

Cesar Alexandre abordou a importância do Distrito Industrial e disse que é necessário fazer investimentos para que volte a ter força econômica. Além disso, defendeu uma lei de incentivo fiscal mais moderna que beneficie os empresários locais.

O candidato Eduardo Dal Prá reiterou o desejo de fornecer aos moradores com dificuldades financeiras um auxílio emergencial similar ao oferecido pelo Governo Federal. Seria voltado para pessoas cadastradas no Bolsa Família.

Sobre a agricultura familiar, Demerval Silvestre disse que é preciso investir nas pequenas propriedades, incentivando a produção local. Ele se comprometeu a criar um programa que indique compradores para esses agricultores.

Marcos Aurélio aproveitou um questionamento do Delegado KIQ para falar sobre corrupção, prática que disse considerar intolerável. Ele defendeu que os desvios de conduta e de verbas sejam combatidos com rigor.

TROCA DE FARPAS – De maneira geral, o debate de terça-feira transcorreu sem ofensas pessoais e permitiu a apresentação de propostas e contestações. Em alguns momentos, no entanto, houve troca de farpas entre os candidatos. As alfinetadas se deram de diferentes formas: nas entrelinhas, sem indicação explícita do destinatário e até mesmo diretamente.

Um dos momentos de tensão foi quando Cesar Alexandre questionou o atual prefeito sobre o slogan “missão dada é missão cumprida”. Na oportunidade, Delegado KIQ falou sobre a prestação de contas protocolada na Justiça, apontando todas as obras concluídas por sua gestão. Eduardo Dal Prá e Cesar Alexandre disseram que nem todas as promessas feitas na campanha de 2016 foram cumpridas. Ambos foram interrompidos pelo candidato à reeleição KIQ enquanto falavam, mas logo retomaram o discurso.

Durante as considerações finais, Demerval Silvestre disse que pretende governar não com arma na mão, mas com a alma. Na interpretação de Delegado KIQ, a frase teria sido dirigida a ele. Defendeu-se, diretamente ao candidato do PSC, dizendo que na condição de delegado de polícia, tem porte de arma e a usa para prender bandidos. Direito de resposta concedido Silvestre, destacou que é preciso desarmar o espírito para governar e ironizou que Delegado KIQ foi traído pelo próprio subconsciente.

Marcos Aurélio declarou que não tem a pretensão de afirmar que conhece Paranavaí melhor do que os outros candidatos, mas tem visitado cada bairro e percebido a realidade dos moradores. Delegado KIQ, que havia assumido anteriormente ser o que mais tem conhecimento sobre a cidade, rebateu a fala do candidato do PSTU. Afirmou que seu argumento não foi pretensioso ou arrogante, mas retrata a verdade, já que é o gestor municipal. Direito de resposta concedido, Marcos Aurélio disse que não quis creditar arrogância a alguém e não fez referência a outra pessoa, apenas a si mesmo.

CONCLUSÃO – Após as manifestações finais dos candidatos, os organizadores do debate agradeceram pela participação de todos e reforçaram a necessidade de votar conscientemente. Concluídas as atividades, os cinco postulantes a prefeito de Paranavaí se cumprimentaram amistosamente e posaram juntos para fotos.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.