REUNIÃO EM LOANDA

EDUARDO NAKAMURA

Da Redação

 

A proposta do Governo do Estado é aplicar mais de R$ 2 bilhões em obras públicas, garantindo a geração de emprego e renda em todo o Paraná

 

Em visita à região Noroeste, o secretário-chefe da Casa Civil, Guto Silva, se reuniu nesta quinta-feira (03) com prefeitos e lideranças para debater ações de recuperação da economia.

O encontro, no Cineteatro Guanabara, em Loanda, reuniu políticos, empresários e representantes de entidades de vários municípios da região Noroeste. Todos com uma enorme expectativa sobre os planos do Governo do Estado para estimular a economia, que sofreu severos impactos causados pela pandemia do coronavírus – Covid-19.

De acordo com projeções do Ipardes para a economia paranaense em 2020, foram traçados três cenários: um otimista, que calcula uma redução de 0,1% do PIB do Estado, com a perda de 118 mil vagas de emprego. Outro cenário chamado de base, com perda de 2,9% no PIB e menos 279 mil empregos. E um pessimista, com retração de 6,1% do PIB e 456 mil empregos a menos no Estado do Paraná. Para se ter uma ideia desta crise provocada pela pandemia, em se confirmando o cenário base a taxa de desemprego do Paraná passaria de 7,3% para quase 12%.

A proposta do Governo do Estado é aplicar mais de R$ 2 bilhões em obras públicas, garantindo a geração de emprego e renda em todo o Paraná. O objetivo do encontro foi conversar com prefeitos e empresários para traçar estratégias que atendam às demandas de cada cidade.

VISÃO – Durante a apresentação, o secretário-chefe da Casa Civil disse que apesar de ainda estarmos vivendo um momento de pandemia, é preciso pensar na recuperação da economia e na geração de empregos e renda. “Nós vamos lançar daqui alguns dias o plano de retomada da economia e esse plano tem que compreender os diversos segmentos, para que a gente possa atender aquele pequeno comerciante, os autônomos que estão sofrendo muito com a pandemia, então o objetivo aqui hoje é dar uma explanação de como será o plano de retomada”.

Sobre a região Noroeste, Guto Silva destacou alguns segmentos que serão atendidos no plano do governo. “Nós estamos preocupados com o pequeno comerciante, esse está sofrendo muito. Então nós estamos buscando crédito para atender a esse pequeno empresário. E aqui na região Noroeste, eu destacaria dois setores: o polo de metais sanitários, que é muito importante para a economia das cidades da região. Nós estamos querendo buscar algumas alternativas para essas indústrias. E também a questão do turismo, que é o setor que mais sentiu os efeitos da pandemia. Porto Rico está sofrendo e precisamos buscar alternativas para levar renda e oportunidades para essa população. Eu destacaria esses dois pontos aqui para a região e o nosso objetivo é buscar alternativas para o desenvolvimento”.

ALEP – O deputado estadual Tião Medeiros enalteceu a iniciativa do Governo em abrir conversa com os municípios. “É muito importante a presença aqui em nossa região do secretário-chefe da Casa Civil, que é o representante natural do governador, e vir aqui ao interior dar uma satisfação do que o Estado está fazendo para a retomada da economia, para a superação dessa fase tão difícil que nós estamos atravessando. O governo já tem definido um plano estratégico, que eles vêm anunciar aqui para a classe empresarial e industrial. Por isso a Associação Comercial de Loanda foi escolhida para organizar esse evento. A cidade tem um arranjo produtivo local muito bem definido, muito importante no cenário estadual e nacional. E é muito importante que esses recursos sejam muito bem aplicados para que consiga surtir o efeito desejado e de fato possa minimizar os impactos da pandemia e retomar o quanto antes o crescimento da economia”.

Também o deputado estadual Subtenente Everton prestigiou o evento, destacando o potencial paranaense para a retomada da economia.

PREFEITOS – O prefeito de Loanda, João Nicolau dos Santos (Sargento Santos), disse que a ajuda do Governo é muito importante para a economia da cidade. “Nós somos a capital dos metais sanitários do Paraná, então sem dúvida, com esses incentivos os nossos empresários terão um fôlego a mais para sair desse momento de muitas incertezas. Muitas empresas estão com dificuldades em conseguir incentivos e a visita do secretário de governo traz boas notícias para todos nós”.

Já Vico Bono, prefeito de Nova Londrina, destacou a saúde como principal demanda de recursos da cidade. “Muito importante essa visita ao noroeste, para ele ver as necessidades aqui de nossa região, e com certeza levar isso ao governador Ratinho Júnior, para poder ajudar a nossa população e melhorar a vida de cada um de nós”.

Para o prefeito de Terra Rica, Júlio Leite, o plano do Governo do Estado pode trazer uma nova oportunidade para a região. “Terra Rica busca se desenvolver no turismo. Nós temos os Três Morrinhos, somos a capital paranaense do voo livre, e queremos aproveitar esse momento em que o governo sinaliza a possibilidade de investir pesado no turismo para o desenvolvimento regional”.

VACINA CONTRA A COVID-19 – Durante entrevista, o secretário-chefe da Casa Civil falou sobre a parceria do Governo do Paraná com a Rússia para produção da vacina batizada de Sputnik V. “A desconfiança é normal porque a Rússia não segue alguns protocolos da Organização Mundial de Saúde (OMS). Mas nós estamos conversando com os russos, com os chineses, estamos alinhados com o Governo Federal sobre a vacina de Oxford. Nós não vamos deixar a questão ideológica interferir no processo da vacina. A vacina que estiver disponível, com segurança e eficácia, nós iremos utilizar”.

Sobre o andamento da liberação dos testes no Paraná, o secretário disse que o processo está bastante adiantado. “Nós já recebemos do governo russo as duas etapas da vacina, que estão no Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) para serem submetidas à Anvisa, e a partir do momento que a Anvisa autorizar nós já iniciaremos dez mil testes, que é o protocolo. Nós trabalhamos para que dia 15 de outubro já comecem os testes. Primeiro vamos testar em alguns voluntários e profissionais da saúde. A vacinação em massa depende de vários fatores, que não são de controle do Governo do Estado, tem de ter autorização do Governo Federal, ver o modelo de produção, de distribuição. Esse seria um segundo passo. Nós estamos percorrendo com muita segurança passo a passo, mas estamos bastante otimistas com essa possibilidade”.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.