Destaque

ADÃO RIBEIRO

[email protected]

Dando sequência ao resgate histórico para marcar a comemoração dos 65 anos do Diário do Noroeste (inaugurado em 23 de outubro de 1955), chegamos ao 3 de outubro de 1970, portanto, há 50 anos. Foi dia de eleição indireta para governador do Estado, como previa o Ato Institucional Número 3 da ditadura militar. Paralelamente se desenrolava a campanha para deputados federal e estadual, pleito marcado para 15 de novembro. Nas páginas do DN, destaque para o novo governo paranaense e para a campanha dos futuros parlamentares.

O governador Haroldo Leon Peres, eleito em 1970

Candidato único indicado pelo regime, Haroldo Leon Peres foi confirmado para o cargo de governador pela Assembleia Legislativa, composta por parlamentares da Arena em sua maioria, o partido de sustentação do Governo Federal. O vice foi Parigot de Souza, nome de uma das vias centrais de Paranavaí. A chapa tomaria posse em 15 de março de 1971.

Leon Peres durou pouco no cargo, renunciando em 23 de novembro daquele ano, acusado de corrupção, crime que sempre negou. O vice assume o Executivo paranaense. Parigot de Souza morre de câncer em 1º de julho de 1973.

 

NOVEMBRO DE 1970

Eleição e o desafio de contar os votos para deputado

 

Em tempos de voto por cédula, a contagem era um grande desafio, especialmente para apurar resultados dos candidatos a deputados federal e estadual. No dia 15 de novembro, a população foi às urnas escolher seus representantes no legislativo.

Nas páginas do Diário do Noroeste vê-se em várias edições a campanha dos postulantes, com Wilson Fortes e Benedito Pinto Dias pleiteando a reeleição para a Assembleia, ambos pela Arena. Os dois saíram vitoriosos. No mesmo pleito, Paranavaí elegeu José Alencar Furtado e Flávio Giovine para a Câmara Federal. Concorreram pelo MDB e Arena, respectivamente.

O que chama a atenção nas páginas cinquentenárias é a marcha da apuração, um fato novo a cada dia e o suspense sobre os eventuais eleitos. Apenas no dia 6 de dezembro foi publicada a votação final de Giovine, eleito com 21.780 votos. Alencar, também vitorioso, totalizou 41.767. Nos dias atuais o resultado é conhecido em horas, fato normal com a introdução da urna eletrônica.

A abordagem sobre o pleito e suas dificuldades de época é oportuna neste momento em que o Brasil está em plena campanha para eleição de prefeitos e vereadores, agora de forma direta e com amplos debates populares. Enfim, o jeito de fazer… de ontem e de hoje.

 

MANCHETE DE 31 DE DEZEMBRO

Paranavaí: avião Bonanza caiu e incendiou-se

A edição do último dia do ano de 1970 narra uma quase tragédia. Informa em sua manchete que um avião da Rádio Bandeirantes de São Paulo entrou em pane durante tentativa de aterrisagem numa pista de pouso da Fazenda Real. O Bonanza, prefixo PT-CVL, bateu o bico no solo e incendiou.

Todos os quatro ocupantes sobreviveram com queimaduras em várias partes dos corpos. Além do piloto Humberto Leite Bonfá, estavam na aeronave Gregório Paes de Almeida, Liliane Almeida e Henrique Schuartz. Medicados no Hospital São Lucas, retornaram a São Paulo posteriormente. Antes, passaram o Réveillon hospedados na Fazenda Real, de propriedade de Sebastião Paes de Almeida.

INAUGURAÇÃO DE BANCO – Outro fato marcante do mês de dezembro de 1970, estampado nas páginas do DN, foi a inauguração do Banco Mercantil de São Paulo, instalada na Rua Souza Naves, 420. Abertura no dia 8. Na matéria de repercussão, publicada em 11 de dezembro, destaque para a bênção proferida pelo bispo dom Benjamin de Souza Gomes com a presença do diretor do banco, Alfeu Amaral, e do gerente Hermes Cappi.

 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.