Destaque

A partir da próxima segunda-feira (19), a região noroeste contará com um importante aliado na solução de crimes, a Polícia Científica do Paraná.

A Polícia Cientifica é um órgão vinculado a segurança pública, engloba o IML e o Instituto de Criminalística, agora, com sede em Paranavaí. A chegada do Instituto de Criminalista a cidade, desafogará Maringá quem atendia nossa região.

O chefe do Instituto de Criminalística Evandro Luiz Lustre afirma que “com a chegada da Criminalista elimina-se o problema de logística e o atendimento de 100% dos casos de crimes atendidos, acidentes enfim os locais de morte, ajudando as forças policias na elucidação dos casos com o laudo pericial, antes era anexado ao processo apenas o laudo de necropsia, hoje é anexado também o aludo de local de morte, auxiliando, comprovando ou corroborando na elucidação da autoria através de exames periciais baseados em estudos científicos”.

Exames que serão realizados pela unidade de Paranavaí: Balística Forense, Pericia em crimes ambientais, identificação veicular, clinica médico-legal, laboratório de necropsia, verificação de violência sexual, engenharia forense, pericia de crimes de transito, pericia de crimes contra a pessoa, pericia de crimes contra o patrimônio e protocolo e custodia de vestígios.

Responsáveis pelo atendimento técnico-científico que auxilia no trabalho das Polícias Civil e Militar e o sistema judiciário no esclarecimento de crimes. O IC e o IML são órgãos que produz laudos técnicos e científicos para a apresentação de provas consistentes em casos que exigem investigações minuciosas e realiza perícias nas áreas de Acidente de Trânsito, Crimes Contra o Patrimônio, Informática, Crimes Contra a Pessoa, Engenharia, Balística, Química (Residuográfica e Identificação Veicular), Entorpecentes, Identificação Criminal, Crimes Contábeis e Documentos.

As atribuições do Instituto de Criminalística:

O trabalho desenvolvido pelos por peritos criminais, na elaboração de laudos sobre as ocorrências cuja infração penal tenha deixado algum vestígio. Em regime de trabalho (turno), de 24h, o quadro será composto por seis profissionais, Perito da Computação Forense, Perito Engenheiro Mecânico, Perito Engenheiro Ambiental, Perito Engenheiro Eletricista, Perito Engenheiro Civil e um Perito em local de morte.

Entre outras atribuições, auxiliar a Justiça, fornecendo provas técnicas acerca de locais, materiais, objetos, instrumentos e pessoas, para a instrução de processos criminais. Esse trabalho é executado por peritos criminais, que elaboram laudos a respeito das ocorrências cuja infração penal tenha deixado algum vestígio.

Alguns fatores influenciam diretamente no resultado da perícia. Inicialmente, é necessário que o local do crime, bem como armas e demais objetos relacionados sejam devidamente preservados para a realização da perícia, ou seja, não pode e não deve haver qualquer modificação do cenário antes do exame. O tempo entre a ocorrência e o exame é outro fator que pode interferir no resultado, pois muitos vestígios sofrem acentuada ação do tempo, deteriorando-se facilmente. Outro aspecto importante é a adequação de equipamentos e tecnologia empregados. Por fim, a capacidade profissional do perito é um fator de peso na qualidade do exame.

O Instituto de Criminalística conta com núcleos que realizam as seguintes perícias especializadas: acidentes de trânsito, crimes contábeis, crimes contra o patrimônio, crimes contra a pessoa, documentoscopia (comparações e análises científicas em documentos, esclarecer a autenticidade do material recolhido, revelando os processos e métodos utilizados nas falsificações de papéis e assinaturas), engenharia, perícias especiais, identificação criminal e perícias de informática. Além de núcleos responsáveis por exames, análise instrumental, balística, biologia e bioquímica, física, química e exames de entorpecentes.

O presidente do Conselho Comunitário de Segurança, Cláudio Miguel de Souza comenta sobre essa conquista, “um ganho muito grande para a comunidade, tínhamos apenas o IML, porém não tínhamos nenhum perito, e tudo era mandado para outras cidades, e a resposta era muito demorada pois os processos entravam em uma fila e o resultado demora muito para chegar, agora tudo será resolvido aqui mesmo, seja na peritagem de veículos ou armas. Um trabalho árduo não só do conselho de segurança, mas também da OAB do Deputado Tião Medeiros, que não mediram esforços na realização desse projeto.

Souza afirma, “avançamos bastante, mas ainda temos muitas carências, em uma verdadeira união de forças alguns setores da sociedade levantaram fundos para arrumar a câmara frigorifica que estava quebrada, só a título de curiosidade caso morresse alguém e por algum motivo precisasse esperar para reconhecimento de familiares, esse corpo teria que ir para Maringá ou Londrina”.

Souza relata que, o conselho de segurança tem dado o apoio necessário na medida do possível, para que os profissionais tenham um local de trabalho apropriado para desenvolver todo o seu potencial.

Edilson Avelar vice-presidente da Associação dos Advogados do Noroeste do Paraná (ADVOG), vasculhando seus registros lembra que, “desde 2011 a OAB, ADVOG, Conselho de segurança, somando forças com a Sociedade Civil Organizada (SOCIPAR), e com o apoio do Deputado Tião Medeiros, lutavam para conquistar o Instituto de Criminalística para Paranavaí.

Segundo ele, “as pericias de balísticas/armas de fogo e branca, de digitais, de veículos apreendidos, crimes que podem ser resolvidos com inteligência pericial demoravam anos para serem solucionados”.

Avelar demonstra toda a sua satisfação em dizer, “com a restruturação da Secretaria de Segurança o pleito foi atendido e transformado agora em POLÍCIA CIENTÍFICA que congrega o IML e o Instituto de Criminalística, “as entidades que tanto lutaram, a população e especialmente a Classe dos Advogados sentem-se realizados, como se a missão fora cumprida, valeu e muito as mobilizações de 19 anos e persistência incansável para este órgão fincar raízes profundas em nossa terra”.

Para finalizar o Avelar diz, “as soluções de casos complexos que exigem periciais agora de forma rápida, é a ciência Forense que entra após os crimes ocorrerem, sendo que as apurações de ilícitos serão eficazes e trarão aos Promotores no momento do ato acusatório elementos concretos, traduzindo  em  segurança aos Juízes no momento de proferirem decisões, sendo indubitável que esta estrutura  fará com que  a atuação dos Advogados seja pautada em teses da existência de provas materiais que sejam incontestáveis, para absolver ou mesmo imputar uma pena ao cliente  e isso que é distribuir Justiça”.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.