Cotidiano

Pesquisa de preços e comparação dos valores de cada estabelecimento são os primeiros passos para economizar. Também é preciso ficar atento à política de trocas de produtos

Decorar a casa, preparar a ceia e trocar presentes são algumas tradições que acompanham as festividades natalinas. Na maioria das vezes, é necessário ir às compras para colocá-las em prática. Seja em lojas do comércio, seja em supermercados, os consumidores devem ficar atentos aos direitos e aos deveres, conforme orientações do coordenador do Procon de Paranavaí, Carlos Eduardo Balliana.

Em entrevista ao Diário do Noroeste, ele enfatizou que o primeiro passo é realizar a pesquisa de preços. Antes de finalizar as negociações, é fundamental comparar os valores e eleger o que for mais vantajoso.

Carlos Eduardo Balliana falou sobre a importância de arquivar todos os documentos que comprovem a compra

Na hora de adquirir os itens para a ceia, verifique a quantidade de produtos e a data de validade, especialmente quando a opção for a cesta natalina fechada. Os preços e os conteúdos podem ser diferentes em cada supermercado, por isso, “fica a critério do cliente escolher qual levar, de acordo com as possibilidades e o que procura”, afirmou o coordenador do Procon.

A equipe de fiscalização deverá promover um levantamento de preços em diferentes estabelecimentos da cidade na próxima semana. Em 2019, a tabela com produtos natalinos em mercados foi divulgada no dia 17 de dezembro, constando valores praticados em cinco mercados de Paranavaí.

COMÉRCIO – Em relação à compra de presentes, ele chamou a atenção para o fato de os estabelecimentos comerciais não terem obrigação de trocar mercadorias. Trata-se de uma cortesia oferecida aos clientes. Por isso, é prudente “questionar sobre a política de trocas, assim se estabelece um contrato verbal”.

Quem faz aquisições em lojas virtuais tem até sete dias após a data de recebimento do produto para se arrepender da compra e solicitar a devolução do dinheiro ou o estorno do valor na fatura do cartão de crédito. A regra não inclui troca ou reenvio de mercadoria.

Em qualquer caso, independentemente da forma de negociação, o consumidor que se sentir prejudicado deve entrar em contato com o fornecedor para tentar resolver o problema. Não sendo possível, a orientação é procurar ajuda junto ao Procon, que fará a intermediação.

O coordenador do órgão de defesa do consumidor disse que todos os documentos que comprovem as negociações e as tentativas de contato com a empresa fornecedora devem ser arquivados: notas fiscais, tíquetes de compra, mensagens eletrônicas e imagens de computador.

Mesmo que não disponha dessas ferramentas, presume-se que o cliente seja a parte mais vulnerável da relação de consumo. Significa que, ao procurar ajuda da equipe do Procon, as reclamações apresentadas pelo cidadão serão consideradas verdadeiras até que toda a situação seja verificada – comprovando ou não a legitimidade.

RENEGOCIAÇÕES – Ao longo de 2020, o Procon de Paranavaí realizou duas campanhas de renegociação de dívidas. A primeira foi lançada em março e a segunda, em novembro. Os consumidores com débitos em atraso tiveram a oportunidade de solicitar aos credores novas oportunidades para quitar os valores.

Durante os dois períodos, foram feitos 132 atendimentos que desencadearam audiências de conciliação. Como resultado, o Procon contabilizou 43 acordos entre fornecedores e consumidores. Outros 60 casos terminaram sem concordância das partes. Um processo foi arquivado.

O comércio foi campeão de reclamações, com 76 procedimentos, incluindo assistência técnica, ofertas e publicidade. Outras 38 audiências agendadas diziam respeito a problemas de consumidores com bancos, financeiras e seguradoras. Dez eram de telefonia fixa e assinatura de internet. Seis, serviços públicos (Sanepar e Copel). Dois processos envolveram empresas de telefonia móvel.

Os números ficaram abaixo do esperado, disse o coordenador do Procon. A principal explicação para o desempenho está nas dificuldades econômicas em decorrência da pandemia de Covid-19. “Foi um ano atípico. Os consumidores não estão conseguindo quitar as dívidas, mesmo com as renegociações.”

A expectativa é que as campanhas de 2021 apresentem resultados mais expressivos, afinal, ao pagar débitos atrasados, o cidadão volta a ter crédito e pode, novamente, fazer compras e injetar recursos na economia local.

CALENDÁRIO COMERCIAL – Desde 7 de dezembro, o comércio de Paranavaí mantém expediente diferenciado. De segunda a sexta-feira, as lojas abrem das 9h às 22h. No próximo sábado (19), no domingo (20) e na quinta-feira que antecede o Natal (24), também haverá horário especial, das 9h às 17h.

Após o feriado, o expediente normal será retomado. No sábado (26), as lojas abrirão das 8h às 13h. De segunda-feira (28) até quarta-feira (30), atendimentos das 8h às 18h. Na quinta-feira (31), véspera de Ano Novo, o comércio funcionará das 9h às 15h.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.