Destaque

A presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio (Sindoscom), Leila Vanda Aguiar, defendeu reajuste salarial de 2,05%, representando R$ 28,79. Enquanto isso, o presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sivapar), Edivaldo Cavalcante, afirmou que mantém a proposta de índice zero.

As negociações entre os líderes sindicais deverão ser feitas online, a pedido de Cavalcante. Ele argumentou que os encontros presenciais aumentam o risco de transmissão do coronavírus. A presidente do Sindoscom disse que não vê problemas nas reuniões remotas. “Para mim, tudo bem.”

As conversas pela internet terão como objetivo chegar ao texto final da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), documento que define as regras para as relações entre patrões e empregados. Entre os itens que compõem a CCT estão o reajuste salarial e o calendário comercial, com dias e horários de funcionamento do comércio.

Para dar início às negociações, o Sindoscom apresentou uma lista de reivindicações para o Sivapar. O texto da entidade que responde pelos comerciários indicava o pedido de reajuste salarial de 8%. Leila explicou que o índice abriria as negociações, mas não era condição irrevogável para o avanço das conversas.

O presidente do sindicato que representa os patrões se mostrou irredutível: não abre mão do reajuste zero para que as negociações sigam. Ele afirmou que a crise agravada pela pandemia de Covid-19 afetou as finanças dos empresários e que o aumento da folha de pagamento poderá resultar em demissões.

Cavalcante também propôs a abertura do comércio nos dois primeiros domingos de cada mês, mantendo a jornada de trabalho em horário estendido nos dois primeiros sábados. Ele afirmou que a proposta está embasada na legislação federal e que, portanto, não seria necessário constar na CCT.

Leila demonstrou que não concorda com a postura irredutível do presidente do Sivapar e reiterou que Sindoscom está aberto para estudar as melhores maneiras de atender as duas categorias: “negociar significa [que precisa ser] bom para o patrão e bom para o empregado”.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.