Local
Depois que o Centro de Convivência do Idoso (CCI) começou a funcionar em Paranavaí, em abril do ano passado, muitos deles que frequentavam assiduamente a Secretaria Municipal de Saúde, em busca de consultas e exames, deixaram de procurar a unidade. A informação foi dada nesta quarta-feira pela vereadora Zenaide Borges, durante café da manhã no CCI. Ela é servidora do município há 23 anos, a maioria do tempo no setor de agendamento. “Nossos velhinhos desapareceram”, disse ela carinhosamente. “Aí encontrei um aqui, outro ali e todos estão frequentando aqui o Instituto. E me contaram que nem remédios estão tomando mais”, explicou.
Zenaide, o vereador Lucas Barone e assessores participaram da reunião semanal da diretoria voluntária do Instituto Maurício Gehlen (IMG), que implantou e é a entidade mantenedora do CCI. Os dois e o vereador Aldrey Azevedo (que justificou a ausência) são os autores da lei que declarou o Instituto como entidade de utilidade pública municipal. O projeto foi aprovado por unanimidade. A diretoria convidou os vereadores e o prefeito Carlos Henrique Rossato Gomes (Delegado KIQ), que sancionou a lei, para o café da manhã desta quarta-feira, quando o empresário Maurício Gehlen, fundador e presidente do IMG, manifestou na gratidão pelo reconhecimento.
“Para nós foi um ato histórico. E embora hoje não haja qualquer necessidade, no futuro, para a celebração de algum convênio com órgão público, essa declaração será imprescindível”, disse Gehlen. Ele lembrou que esta não é a primeira vez que os membros dos poderes Legislativo e Executivo colaboram com o CCI. “Aqui tem também um tijolinho dos vereadores e do prefeito. Eles visitaram o Centro quando ainda estava em construção e os vereadores doaram 10 mil lajotas e o prefeito e os secretários outra 10 mil. Somos gratos por isso também e não nos esquecemos”, sublinhou ele.
Além de Zenaide e Barone estiveram no CCI seus assessores, Luiz Fernando da Silva e Alexandre Costa Santos, respectivamente e a assessora de Imprensa do Legislativo, Josilene Barão Kummer.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.