Local
REINALDO SILVA
Entre os grupos considerados prioritários, as gestantes e os profissionais que atuam na área da saúde foram os que apresentaram menor índice de vacinação contra a gripe no Noroeste do Paraná. Até a manhã de ontem, alcançaram, respectivamente, 75,82% e 75,83%, na média regional.
A maior preocupação recai sobre os trabalhadores da saúde, que lidam diretamente com as pessoas que procuram atendimento médico. Precisam estar imunizados para se proteger e, assim, evitar a transmissão da doença para os pacientes.
O caso mais marcante é o de Santa Isabel do Ivaí, onde apenas 48,15% dos funcionários desse setor foram vacinados. Em Querência do Norte, o índice também é menor do que o esperado em relação ao mesmo público: 64,37%. Em Nova Aliança do Ivaí, 65,31%. Em Paranavaí, 67,46%.
Considerando toda a população-alvo da campanha de vacinação contra a gripe, oito municípios da região ultrapassaram a meta estipulada pelo Ministério da Saúde, 90%. Guairaçá, Itaúna do Sul, Nova Aliança do Ivaí, Planaltina do Paraná, Porto Rico, São Carlos do Ivaí, São João do Caiuá e São Pedro do Paraná. 
Há lugares em que o alcance vacinal está abaixo de 80%. Alto Paraná (78,28%), Amaporã (79,86%), Diamante do Norte (78,6%), Inajá (79,66%), Loanda (75,37%), Nova Londrina (67,59%), Paraíso do Norte (77,98%), Paranavaí (76,38%), Querência do Norte (73,43%), Santa Isabel do Ivaí (68,59%) e Santo Antônio do Caiuá (75,91%). 
CAMPANHA DE VACINAÇÃO – Desde o dia 10 de abril, unidades de saúde de todo o país estão distribuindo vacinas contra a gripe. A campanha é voltada para crianças de seis meses a cinco anos de idade, gestantes, mulheres no período pós-parto (até 45 dias), trabalhadores da saúde, profissionais de segurança e salvamento, professores, idosos e pacientes com doenças crônicas.
A vacina é trivalente, ou seja, protege contra três tipos de vírus, A (H1N1), A (H3N2) e B. São os que provocam sintomas mais agressivos e podem levar o doente à morte. Neste ano, Paranavaí registrou um óbito por H1N1.
A campanha de vacinação vai até o dia 31 de maio, mas orientação é que as pessoas incluídas nos grupos prioritários se dirijam ao posto de saúde o quanto antes. É que pode levar até 21 dias para que o organismo crie os anticorpos necessários para a proteção contra os vírus.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.