Local
A presidente da Subsecção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Paranavaí, Célia Zanatta, disse nesta quarta-feira que a prevenção das drogas é muito importante, mas que a sociedade deve estar preparada para agir quando o problema se instala. “Infelizmente todos nós conhecemos alguém ou alguma família que enfrenta este tipo de problema. E quando o problema se instala nós precisamos saber o que fazer e como fazer”, disse ela.
O comentário foi feito em razão da realização do I Encontro Multidisciplinar de Políticas Públicas Sobre Drogas, que a OAB promove nesta quinta-feira (13) em sua sede, a partir das 18h30. O evento é realizado em parceria com o Conselho Municipal de Políticas Públicas Sobre Droga (Comud) e está dentro da programação da edição local do Junho Paraná Sem Drogas (Junho Branco). A entrada será um quilo de alimento não perecível e um litro de leite longa vida.
Zanatta diz que o evento é de essencial importância e acontece justamente quando vem à tona a lei que trata do “Internamento Compulsório”, tema do Encontro, que será discorrido pelo juiz da 1ª Vara Criminal, Rodrigo Domingos de Masi, e pela promotora de Saúde Pública, Susy Mara de Oliveira, “com a participação de advogados, médicos e pessoas envolvidas com o problema”, além da rede de atenção ao problema.
“No Brasil temos leis muito boas que acabam não sendo praticada. Este Encontro acontece justamente quando a lei (que regulamenta, facilita e agiliza o internamento compulsório) está no início, pois ela acaba de ser sancionada. E é importante que todos a conheçam”, diz a presidente da OAB-Paranavaí.
A advogada observa que as drogas se constituem em um sério problema social. “Muitas famílias têm dificuldade em reconhecer e aceitar o problema. E quando reconhecem não sabe o que fazer”, alerta ela, reforçando que, por isso a promoção da OAB não se limita a ser um evento técnico-jurídico, mas de interesse de toda a sociedade.
Célia Zanatta revela que o tema drogas tem ocupado cada vez mais o dia a dia dos advogados, que estão sendo procurados para provocar o Judiciário a tomar medidas de proteção. “Infelizmente drogas, lícitas e ilícitas, têm uma correlação muito forte com a violência. Estes dois temas estão intimamente ligados”, lamenta ela, acrescentando que o problema já ganhou uma proporção tão grande que uma lei recente autoriza que, em casos de agressão de casais, em vez de o processo começar com a separação de corpos, segue direto para o divórcio, “que é medida extrema”.
A presidente da OAB-Paranavaí reforça que as drogas têm desestabilizado a sociedade e por isso o Encontro desta quinta-feira “é para tratar das políticas públicas e a sociedade está convidada a participar”.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.