Local

A medida mais eficiente de combate à dengue é eliminar os focos de larvas do mosquito transmissor, o Aedes aegypti. Foi o que afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, que esteve em Paranavaí na última sexta-feira (7), para acompanhar a posse da nova diretoria da Associação dos Municípios do Noroeste Paranaense (Amunpar).
Para isso, o trabalho de campo de agentes de saúde e de controle de endemias precisa ser efetivo. “O que resolve é visita técnica, jogar larvicida e fazer a eliminação mecânica dos focos.” Uma das estratégias apontadas pelo secretário é estabelecer horários alternativos para as vistorias em residências, o que garantiria maior cobertura de imóveis.
Beto Preto destacou que o Governo do Estado está trabalhando no intuito de resolver a falta de pessoal para os serviços de campo. Entre as propostas está a realização de um concurso para a contratação de novos técnicos.
Paralelamente, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) tem estimulado o apoio mútuo entre as prefeituras, com a cessão de funcionários para tornar as vistorias mais céleres e efetivas. “Se for preciso, vamos trazer servidores de outras regionais”, declarou.
De acordo com o secretário, o uso indiscriminado de veneno para eliminar os mosquitos na fase adulta tem efeito menor do que se defende. Depois de cinco ciclos de aplicação do produto utilizado atualmente, apenas 40% dos vetores são atingidos. Mesmo assim, o Governo do Estado liberou 19 mil litros do inseticida – parte será distribuída entre os municípios do Noroeste do Paraná.
A expectativa é que a partir de março deste ano, o Governo Federal libere novas quantidades de veneno para que sejam repassadas a cada Regional de Saúde, principalmente as que enfrentam situações de epidemia mais avançadas.
Em conversa com os prefeitos do Noroeste do Paraná, durante o encontro para a posse da nova diretoria da Amunpar, em Paranavaí, Beto Preto apresentou números referentes à dengue na região. A situação que se desenha, disse o secretário de Saúde, é pior do que a de 2012 e 2013, período com maior quantidade de casos positivos.
O secretário destacou o crescimento da dengue em todo o Paraná. Na comparação com janeiro de 2019, o primeiro mês deste ano teve elevação de 6.000%. Considerando apenas os municípios do Noroeste, a alta foi de 17.000%. Ainda sobre Paranavaí e municípios da região, o avanço de confirmações da doença representa 37% a cada semana.
Beto Preto informou que o governador Carlos Massa Ratinho Junior assinará decreto determinando estado de alerta em todo o Paraná. A partir disso, estabelecerá as ações de combate à dengue como políticas de Estado.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.