Saúde

O câncer de mama é o que mais afeta mulheres. O Instituto Nacional de Câncer (Inca), ligado ao Ministério da Saúde, estima que em 2020 sejam diagnosticados 66.280 novos casos da doença, superando a marca de 2019, com aproximadamente 59.700. De janeiro a julho deste ano, o número de mamografias realizadas no Brasil ultrapassou 1,1 milhão.

Considerando somente o primeiro semestre, a 14ª Regional de Saúde contabilizou 545 exames de mama em Paranavaí. Os números são preliminares e estão sujeitos a alterações, mas representam 31% a menos do que no mesmo período de 2019, quando foram feitas 799 mamografias. A soma de exames ao longo de todo o ano passado foi 1.836.

Paranavaí concentra o maior volume de mamografias entre janeiro e junho de 2020. Na sequência, aparecem Terra Rica (52), Loanda (43), Paraíso do Norte (41), Querência do Norte (38), Tamboara (37) e Diamante do Norte (31). Jardim Olinda, São Pedro do Paraná e Santo Antônio do Caiuá não tiveram registros de exames de mama no primeiro semestre deste ano.

O levantamento da Regional de Saúde também aponta o número de mortes por câncer de mama em municípios do Noroeste do Paraná. De janeiro a dezembro de 2019, 19 mulheres morreram em decorrência da doença, oito em Paranavaí. No primeiro semestre de 2020, o número de óbitos na região chegou a 15, sendo cinco em Paranavaí.

Os principais sinais e sintomas do câncer são: caroço, geralmente endurecido, fixo e indolor; pele da mama avermelhada; alterações no mamilo; e saída espontânea de líquido. Também podem aparecer pequenos nódulos no pescoço ou nas axilas. A recomendação é para que façam exames periódicos mulheres de 50 a 69 anos de idade. Em casos específicos, a busca por atendimento médico também é indicada a pacientes mais novas.

Quando percebe que há alguma alteração na mama, a mulher deve procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de casa, para marcar uma consulta, para que o médico avalie e solicite o exame. São aproximadamente 30 dias entre o agendamento e a data da mamografia.

Com os resultados em mãos e havendo alguma alteração, o médico encaminha a paciente para o mastologista. Se for o caso, o profissional recomendará tratamento oncológico, sendo necessário que a mulher vá ao Hospital do Câncer ou ao Hospital Santa Rita, em Maringá.

Segundo informações da Seção de Atenção Primária em Saúde da 14ª Regional de Saúde, em razão da campanha Outubro Rosa, as cotas por município para fazer o exame foram ampliadas. Significa que as pacientes não precisam esperar por muito tempo.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.